Página inicial > FSM/WSF 2015 - TUNIS > Apelo à libertação do brasileiro-palestino Islam Hamed chega a (...)

Apelo à libertação do brasileiro-palestino Islam Hamed chega a Dilma

segunda-feira 11 de maio de 2015, por Soraya Misleh,

Há um mês em greve de fome – desde 11 de abril último –, o brasileiro-palestino Islam Hamed ainda aguarda que sua reivindicação seja atendida. Preso injustamente na Palestina ocupada, ele pede ao governo brasileiro que posicione-se fortemente para que possa ter uma nova vida, ao lado de sua família, neste país.

A família, juntamente com entidades integrantes da campanha por sua libertação e repatriação no Brasil, tem circulado uma petição com demanda à presidenta Dilma, pedindo que intervenha diretamente nas negociações com o governo de Israel e a Autoridade Nacional Palestina (ANP), que o mantém no cárcere sem qualquer acusação formal desde 2010, mas já afirmou que pode libertá-lo desde que o Brasil assuma a responsabilidade por seu traslado e segurança. “A hora de entregá-lo à família obviamente será com a presença das autoridades brasileiras e com a garantia de que, cruzando todos esses trajetos até a chegada ao avião, não aconteça nada de ruim para ele. Isso é para garantir a segurança (...), explicou o embaixador da Palestina no Brasil, Ibrahim Elzebem, em entrevista à EBC (reportagem publicada no dia 7 de maio, intitulada “Avançam negociações para libertação de brasileiro em greve de fome na Palestina”).

Antes, alegava que, para “protegê-lo” de Israel, não o libertaria a não ser que a família assinasse um termo de responsabilidade por sua segurança, o que não teria lógica. Como lembrou à mídia a mãe de Islam Hamed, diante da impossibilidade de protegê-lo, seria como se assinasse uma sentença de morte de seu filho. Já Alon Lavi, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Israel, declarou em entrevista à EBC que a ANP tenta envolver Israel para politizar uma questão que não lhes diz respeito. Como lembra a reportagem, por se tratar de território palestino ocupado, no entanto, não é segredo que Israel controla tudo o que entra e sai também da Cisjordânia.

Na última sexta-feira (8 de maio), a família e amigos protocolaram sua demanda no Escritório Regional da Secretaria Geral da Presidência, em São Paulo, após protesto contra a demora nas negociações em frente a esse endereço. Munidos de cartazes com os dizeres “Dilma, traga Islam Hamed para o Brasil já” e “Liberdade a Islam Hamed” (em árabe e inglês), os manifestantes vedaram suas bocas com faixas pretas simbolizando a solidariedade à greve de fome. No farol, ergueram os cartazes e bandeira palestina, além de distribuir panfletos explicando à população o caso. Professores do Estado em greve – colegas de profissão da tia de Islam Hamed, Mariam Baker – participaram da mobilização e aderiram à campanha, postando fotos no facebook com os mesmos cartazes e se solidarizando com a família.

Assinado por dezenas de organizações, manifesto intitulado “Pela libertação e repatriação urgente de Islam Hamed” foi entregue à chefe de Gabinete em São Paulo, Nilza Fiuza, que recebeu a comitiva formada pela tia e primos de Islam Hamed, além de representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas), Ciranda Internacional de Comunicação Compartilhada, Frente em Defesa do Povo Palestino, Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) e Centro Brasileiro de Solidariedade e Luta pela Paz (Cebrapaz). No ensejo, Mariam Baker apresentou a situação em que seu sobrinho seu encontra e fez um apelo comovente: “Meu sobrinho não cometeu nenhum crime e quer levar uma vida normal. Ele se recusa a se alimentar até que o Brasil o ajude. A única possibilidade é ele vir para este país. Estamos implorando à presidenta Dilma que o traga. Geralmente, quando as pessoas escutam falar ‘palestino’, leem ‘terrorista’. Nós não somos terroristas.”

O manifesto tem ainda a adesão do deputado estadual Carlos Giannazzi (PSOL) e do secretário municipal de Direitos Humanos de São Paulo, Eduardo Suplicy. Esse último recebeu integrantes da recente missão humanitária à Palestina ocupada, do Fórum Social Mundial, um dia antes em seu gabinete, e se solidarizou com a campanha pela repatriação urgente de Islam Hamed no Brasil. Ao final do encontro, ligou para o embaixador Sérgio Danese, secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores, que informou estar ciente do caso. Até o momento, o Itamaraty e a Secretaria-Geral da Presidência têm dado respostas inconclusas sobre as negociações em curso.

O pleito ao governo brasileiro não é de hoje. A família vem reiteradamente fazendo essa solicitação desde 2013. Em 15 de abril, apresentou-a novamente, já com Islam Hamed em greve de fome, e apontando a urgência de que finalmente o Brasil intervenha pela única solução possível: trazê-lo para cá. Islam Hamed já perdeu mais de 15 quilos e corre risco de morte. Fortalecer a campanha pela libertação de Islam Hamed é a possibilidade de fazer justiça e salvar sua vida. Mais informações na página no facebook Libertem o Islam Hamed.

Confira o manifesto:

PELA LIBERTAÇÃO E REPATRIAÇÃO URGENTE DE ISLAM HAMED
Reivindicamos do governo brasileiro que se posicione consistentemente por agilidade nas negociações em curso por salvo conduto ao brasileiro-palestino Islam Hamed, preso injustamente em cárcere da Autoridade Nacional Palestina (ANP). Não há nenhuma acusação formal e sua suposta pena já foi encerrada há dois anos. Sua família vem apelando ao governo brasileiro desde 2013 pela sua repatriação ao Brasil e em 15 de abril apresentou nova solicitação. Há uma campanha em curso com esse objetivo, à qual nos somamos, por justiça.
A libertação e repatriação no Brasil é urgente, já que Islam Hamed corre risco de morte. Desesperado com a lentidão em se fazer justiça e sofrendo maus tratos no cárcere, ele está em greve de fome desde 11 de abril. As respostas dadas pelo Itamaraty e a Secretaria Geral da Presidência são inconclusas. Diante da urgência do quadro, apelamos a um posicionamento firme do governo brasileiro para agilizar as negociações.

Frente em Defesa do Povo Palestino
CSP-Conlutas – Central Sindical e Popular
CUT Brasil – Central Única dos Trabalhadores
Ciranda Internacional de Comunicação Compartilhada
CEBRAPAZ - Centro de Solidariedade ao Povos
Anel – Assembleia Nacional dos Estudantes Livre
PSTU – Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado
Movimento Mulheres em Luta
Quilombo Raça e Classe
Sintusp – Sindicato dos Trabalhadores da USP
Soweto Organização Negra
Deputado Estadual Carlos Giannazi PSOL
Secretário dos Direitos Humanos Eduardo Matarazzo Suplicy
Organização Fora do Eixo
Mídia Ninja
Associação Outras Palavras
Coletivo Juntos
Movimento Palestina para Tod@s
Instituto Imersão Latina
CoMulher - Comunicação Mulher
Mães de Maio