Ciranda internacional da comunicação compartilhada

agrega noticias de parceiros parcerias da ciranda
Condamnation du Makhzen et soutien à la lutte du peuple sahraoui

Marocains furieux ont attaqué le modérateur de l’assemblée des mouvements sociaux du FSM qui lisait le texte, M. Moumni Rahmani, un Marocain lui-même, le menaçant et le maltraitant en public et le qualifiant de traître.

Communiqué Sortir du Colonialisme

" Alors que la France a entrepris une guerre au Mali au nom de la lutte contre l’occupation d’une partie de ce territoire par les forces djihadistes, elle ne dit et ne fait rien face au Maroc qui occupe illégalement le territoire d’un autre peuple."

Réfugiés subsahariens du camp de Choucha dans une grève de la faim

Quarante-et-un réfugiés subsahariens du camp de Choucha frappent aux portes du très influent Forum Social Mondial pour réclamer la dignité humaine. L’absence de reconnaissance et de solutions concrètes à Tunis les incite à entamer collectivement une grève de la faim le 29 mars 2013 devant le Haut commissariat aux réfugiés (HCR) de Tunis, mettant leur santé - déjà précaire - en danger.

Le "printemps arabe" invite le mouvement altermondialiste

Las mujeres darán el puntapié “oficial” anticipando con su asamblea mundial la apertura de la 12da edición del Foro Social Mundial (FSM) este 26 de marzo

Accueil > FSM > FSM 2012/2013 fr > Ato das Trepadeiras repudia femicídio no rap

Ato das Trepadeiras repudia femicídio no rap

mardi 10 septembre 2013, par Deborah Moreira

Mulheres indignadas com a música "trepadeira" do rapper Emicida convocaram na rede um ato de repúdio ao artista, que lançou seu novo trabalho na noite de terça-feira (10), no Sesc Pinheiros, em São Paulo. A letra da canção incita a violência contra a mulher. "O rap é compromisso", gritavam as manifestantes que se autoproclamaram trepadeiras.

"Dei todo amor, tratei como flor, mas no fim era uma trepadeira", diz um dos trechos da música, que ainda prega que a mulher que trai "merece era uma surra de espada de São Jorge, um chá de comigo ninguém pode".

"Tô cansada de ver a naturalização da misoginia, esse ódio da mulher. Já é difícil aceitar isso de alguém que não tem uma função na cena cultural, ainda mais ele[Emicida], que deveria ter um compromisso com o social, com a periferia, com as mulheres", declarou Ana Paula Galvão, uma das manifestantes que convocou o ato pelas redes sociais.

De acordo com as feministas presentes no ato, o objetivo não é censurar o trabalho do artista : "O que não dá para aceitar é que ele cante isso em um show que seja finaciado com dinheiro público, por exemplo, ou que sirva como tema de uma novela ou, pior, seja regravada por outro artista lá na frente", completou Ana Paula, que conhece a atuação do músico também como empreendedor e lamenta muito que "alguém que uso como exemplo de economia criativa, faça uma coisa dessa".

A estudante Isadora Couto soube do ato pelo Facebook e fez questão de estar presente para repudiar a música e tudo o que ela representa : "Fiquei bastante decepcionada. O Emicida é o rapper que representa a cultura da rua, o povo da rua, e eu acho que foi uma falta de compromisso com as pessoas marginalizadas e excluídas da sociedade. É uma música que incita o ódio e a violência contra a mulher. Mais do que licença poética, isso pé uma falta de responsabilidade com a sociedade".

Répondre à cet article