Página inicial > FSM > FSM 2012/2013 > FSM Palestina Livre > Convívio e tolerância, por Tarso Genro

Convívio e tolerância, por Tarso Genro

segunda-feira 26 de novembro de 2012, por ,

Governador do Rio Grande do Sul diz que seu governo não renuncia a oportunidade de organizar diálogos que podem promover a paz com base no acatamento às resoluções da ONU

Entre os dias 29 de novembro e 1º de dezembro, Porto Alegre vai abrigar um conjunto de atividades culturais, parlamentares e políticas da comunidade palestina, promovidas pela CUT nacional, no âmbito do Fórum Social Mundial. Os eventos ocorrem com o apoio da Secretaria Geral da Presidência da República e foram acolhidos pelo Governo do Estado, como todos os governos têm feito desde o primeiro fórum que ocorreu na Capital gaúcha em 2001.

No âmbito destas atividades, o Fórum Social Palestina Livre irá promover debates cujo sentido é defender o direito, já proclamado pela ONU, da existência de um Estado Palestino soberano.

O Governo do Rio Grande do Sul, juntamente com outras autoridades constituídas, colabora na organização do evento e não renuncia a oportunidade de organizar diálogos que podem promover a paz com base no acatamento às resoluções da ONU. Como ocorreu em outras ocasiões, isso não significa assumirmos posição de "parte" nos debates, ou mesmo a consagração, pelo nosso governo, de posições assumidas por quaisquer dos debatedores. O Governo do Estado tem posição sobre o conflito e ela é a mesma do Governo do Brasil.

O governo brasileiro defende o direito do povo palestino a ter o seu próprio Estado em pé de igualdade jurídica e política com o Estado de Israel, o que é aceito por todas as nações democráticas do mundo, a partir da consagração de fronteiras claras, reconhecimento das identidades recíprocas, culturais e religiosas, definidas através de acordos negociados entre as autoridades políticas dos dois povos, com arbitragem da Organização das Nações Unidas. Esta posição tem também como base a condenação, baseada em princípios, de quaisquer ações fundadas em métodos terroristas, partam de onde partirem.

Entendemos que eventos desta natureza, além de servir para demonstrações de capacidade de diálogo, apreço a democracia e respeito integral aos direitos humanos, devem gerar manifestações que estimulem a negociação política e a ação das instâncias internacionais de arbitragem. Rejeitar posturas -partam de onde partirem - que sirvam para acender ódios sectários e promover manifestações de intolerância entre os povos é uma posição muito cara para o nosso governo.

O Governo estadual segue uma política de acolhida de grandes debates nacionais e internacionais, originários do Fórum Social Mundial e, neste caso concreto, soma-se a nossa disposição de demonstrar o alto nível de convívio e respeito que ambas as comunidades, israelita e palestina, travam aqui nos pagos gaúchos. Exemplo que pode servir de modelo de tolerância e reconhecimento das identidades nacionais, dentro dos marcos de uma ordem democrática internacional, baseada na paz entre os povos e no respeito aos direitos humanos.

Quando os conflitos se exacerbam é que se abre o momento adequado para demonstrações de verdadeira tolerância e de promoção do chamado "espírito de paz", pois é precisamente nestes momentos que as ideologias e as convicções são testadas para mais além da retórica política cotidiana. Lamentavelmente, na história da humanidade, foi sempre a partir do sangue dos inocentes que os líderes verdadeiramente pacifistas dos povos tiveram a sensatez de construir os alicerces da paz. O "cessar-fogo", ajustado na semana que passou, pode ser um momento lúcido que se transforme numa regra de convívio.

Tarso Genro

Governador do Estado do Rio Grande do Sul