Ciranda internacional da comunicação compartilhada

agrega noticias de parceiros parcerias da ciranda
Condamnation du Makhzen et soutien à la lutte du peuple sahraoui

Marocains furieux ont attaqué le modérateur de l’assemblée des mouvements sociaux du FSM qui lisait le texte, M. Moumni Rahmani, un Marocain lui-même, le menaçant et le maltraitant en public et le qualifiant de traître.

Communiqué Sortir du Colonialisme

" Alors que la France a entrepris une guerre au Mali au nom de la lutte contre l’occupation d’une partie de ce territoire par les forces djihadistes, elle ne dit et ne fait rien face au Maroc qui occupe illégalement le territoire d’un autre peuple."

Réfugiés subsahariens du camp de Choucha dans une grève de la faim

Quarante-et-un réfugiés subsahariens du camp de Choucha frappent aux portes du très influent Forum Social Mondial pour réclamer la dignité humaine. L’absence de reconnaissance et de solutions concrètes à Tunis les incite à entamer collectivement une grève de la faim le 29 mars 2013 devant le Haut commissariat aux réfugiés (HCR) de Tunis, mettant leur santé - déjà précaire - en danger.

Le "printemps arabe" invite le mouvement altermondialiste

Las mujeres darán el puntapié “oficial” anticipando con su asamblea mundial la apertura de la 12da edición del Foro Social Mundial (FSM) este 26 de marzo

Accueil > FSM > FSM 2012/2013 fr > Costa Rica : exemplo de cultura de paz e socioambiental

Costa Rica : exemplo de cultura de paz e socioambiental

mardi 19 mars 2013, par Sucena Shkrada Resk

Geralmente o que nos atrai na hora da escolha de um roteiro turístico são as belezas naturais e as características culturais do destino. Mas o meu olhar para a América Central me leva a querer conhecer a Costa Rica, também por outra peculiaridade. O que chama a atenção nessa nação de 51.100 km2, localizada entre a Nicarágua, Panamá e os oceanos Pacífico e Atlântico, é o fato de que, desde 1948, não mantém forças armadas. Algo especial em um mundo com tantas zonas de conflito. Com isso, as possíveis despesas que teria com armamentos e pelotões seguem para programas socioambientais. Essa é uma característica destacada no Relatório de Desenvolvimento Sustentável Humano 2013 - Ascensão do Sul - Progresso Humano num mundo diversificado, divulgado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Ainda é prematuro afirmar, que a decisão costa riquenha, que vigora há quase 70 anos, torna esta nação um exemplo a ser seguido diante de um mundo predominante bélico, onde guerras civis e internacionais afloram em diferentes regiões (por diferentes contextos históricos). Entretanto, é indiscutível que sua iniciativa inspira a cultura de paz e merece mais estudos, relatos e escuta. Em 2011, diante da necessidade de preservar o território diante de zonas de conflito, o governo chegou a criar a polícia de fronteira, mas conserva sua política de segurança nacional.

Em 2012, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Costa Rica subiu para 0,773 contra 0,621. Analistas consideram que a prioridade de recursos do governo dirigida às áreas social (educação e saúde) são fatores importantes nesse novo cenário. No mundo atualmente, são cerca de 20 nações que seguem o exemplo costa riquenho de não manter forças armadas, mas muitos deles dependem de auxílio externo para a segurança nacional.

POLÍTICA SOCIOAMBIENTAL

O capital ambiental da Costa Rica e a condução das políticas locais a respeito também não passam despercebidos. O país mantém um Conselho Presidencial Ambiental (composto somente por representantes do Executivo), que apresenta na agenda quatro metas principais, que são o ordenamento territorial, proteção dos recursos hídricos, neutralização de carbono e impulso às energias renováveis. Como em outros países em desenvolvimento, há uma preocupação com o planejamento urbano principalmente da grande área metropolitana e da província de Guanacaste.

Um dos objetivos divulgado pelo governo federal é que até 2021 haja a neutralização das emissões (hoje é responsável por 0,02% das emissões globais). Para isso, algumas medidas em curso são a redução de 5% do uso de combustíveis fósseis na frota de veículos e de transporte público, como também a reorganização do sistema. E a maior conquista costa riquenha é chegar a 95% de predominância de energias renováveis na matriz energética.

O ecossistema e a biodiversidade do país são elementos que são considerados estratégicos nas políticas públicas. Um país com florestas tropicais úmidas, cordilheiras e planícies costeiras também exibe em sua rica geografia vulcões. E poucos sabem que o país concentra a maior quantidade de espécies de orquídeas do planeta (mais de 1 mil), além de uma fauna diversificada.

A evolução da recuperação da vegetação vem num quadro ascendente nas últimas duas décadas. Estima-se que hoje existam mais de 50% de matas contra 25% naquele período e a meta é que chegue a 65% por volta de 2021. Alguns dos dispositivos utilizados no país são o pagamento a proprietários de floresta que preservam as áreas, e a criação de um imposto sobre o consumo de petróleo. Em 2011, também criou a Área Marina de Manejo de Monte Submarino (no Pacífico), que é considerada a maior da região, depois de Galápagos.

Por esse conjunto de ações, a curiosidade aumenta e faz com que enxerguemos esse pequeno país em suas potencialidades.

*Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk

Voir en ligne : Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk

Répondre à cet article