Página inicial > FSM > FSM 2012/2013 > Creche e cooperativa de reciclagem serão as prioridades da Vila (...)

Creche e cooperativa de reciclagem serão as prioridades da Vila Autódromo

terça-feira 10 de dezembro de 2013, por Agência Pulsar,

A comunidade Vila Autódromo investirá mais de 60% do dinheiro conquistado no prêmio internacional de urbanismo na construção de uma creche comunitária. Os moradores venceram o primeiro lugar após lançarem um plano alternativo ao projeto olímpico proposto pela prefeitura do Rio de Janeiro.

Ao todo mais de 170 iniciativas da Região Metropolitana do Rio concorreram ao prêmio Urban Age Award, que reconhece projetos criativos para as cidades. A proposta do Plano Popular da Vila Autódromo foi construída com assessoria da Universidade Federal Fluminense (UFF) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e prevê um modelo de desenvolvimento econômico, social, urbano e cultural mais democrático e inclusivo para a comunidade.

O prêmio no valor de 80 mil reais reforça os mais de 25 anos de luta dos moradores para permanecer no local, que é alvo da especulação imobiliária. Inalva Mendes Brito, mora desde a década de 80 na Vila Autódromo. Para ela a premiação é o reconhecimento de que todos devem ter o direito à cidade.

Segundo a moradora, a maior parte do dinheiro será destinada à construção da creche, porque apesar dos pedidos, a Prefeitura nunca demonstrou interesse em atender as demandas da comunidade. Para trabalhar muitas mães contam com o apoio de outras moradoras que se dispõe a ficar com as crianças. A rede solidária da Vila Autódromo foi a alternativa que as mulheres encontraram para continuar no mercado profissional.

De acordo com Inalva, a outra parte do prêmio será destinada para iniciar uma cooperativa de reciclagem. Atualmente cerca de três mil pessoas vivem na comunidade, mesmo com o título de posse e o seu direito à moradia assegurado na Constituição Federal de 88, os moradores já receberam do poder público nove justificativas diferentes para a remoção da Vila, no entanto nenhuma foi comprovada. As ameaças aumentaram com a proximidade das obras para as Olímpiadas de 2016.