Ciranda internacional da comunicação compartilhada

agrega noticias de parceiros parcerias da ciranda
Condamnation du Makhzen et soutien à la lutte du peuple sahraoui

Marocains furieux ont attaqué le modérateur de l’assemblée des mouvements sociaux du FSM qui lisait le texte, M. Moumni Rahmani, un Marocain lui-même, le menaçant et le maltraitant en public et le qualifiant de traître.

Communiqué Sortir du Colonialisme

" Alors que la France a entrepris une guerre au Mali au nom de la lutte contre l’occupation d’une partie de ce territoire par les forces djihadistes, elle ne dit et ne fait rien face au Maroc qui occupe illégalement le territoire d’un autre peuple."

Réfugiés subsahariens du camp de Choucha dans une grève de la faim

Quarante-et-un réfugiés subsahariens du camp de Choucha frappent aux portes du très influent Forum Social Mondial pour réclamer la dignité humaine. L’absence de reconnaissance et de solutions concrètes à Tunis les incite à entamer collectivement une grève de la faim le 29 mars 2013 devant le Haut commissariat aux réfugiés (HCR) de Tunis, mettant leur santé - déjà précaire - en danger.

Le "printemps arabe" invite le mouvement altermondialiste

Las mujeres darán el puntapié “oficial” anticipando con su asamblea mundial la apertura de la 12da edición del Foro Social Mundial (FSM) este 26 de marzo

Accueil > FSM > FSM 2012/2013 fr > FSM Palestina Livre > Declaração final pede suspensão de acordo entre Israel e Mercosul

Declaração final pede suspensão de acordo entre Israel e Mercosul

samedi 8 décembre 2012, par Paula Daibert

Entre as resoluções da declaração final da Cúpula Social do Mercosul, a 12a saúda o Estado Palestino pela conquista do status de Estado Observador nas Nações Unidas e pede a suspensão do acordo de livre comércio entre o Mercosul e Israel, “até que cessem as atrocidades cometidas contra a Palestina e o processo de paz seja restabelecido”.

Tomas Henrique de Toledo, secretário-geral do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz), afirmou que o modelo que os países do Mercosul têm buscado é de integração solidária, que não envolve apenas questões comerciais, mas dos povos. “Se tivermos um acordo de livre comércio, isso quer dizer que os supermercados brasileiros vão circular produtos feitos em colônias israelenses em áreas ocupadas, e isso não pode ser aceito pelos povos do Mercosul”, disse.

A secretária de Comunicação da Central Única de Trabalhadores do Brasil (CUT), Rosane Bertoti, foi mais longe e pediu que o bloco corte as relações com o país. “Da mesma forma suspendemos o governo do Paraguai do Mercosul por ter violado o direito à democracia em seu país, nada mais justo que não estabeleçamos relações com países que não respeitam a democracia”, afirmou.

Toledo ressaltou que os países do Mercosul podem contribuir economicamente com o povo palestino, já que o apoio político foi claramente dado na aprovação da Palestina como Estado observador da ONU. “Exceto o governo golpista do Paraguai, que se absteve na ONU, todos os países do Mercosul votaram a favor do reconhecimento da Palestina como estado observador. Economicamente, podemos fortalecer a cooperação comercial com os palestinos”, afirmou.

O argentino Rafael Araya, secretário de Relações Internacionais do partido Miles, lembrou ainda que a Cúpula Social decidiu reivindicar o direito dos palestinos de construirem seu próprio Estado em solo palestino, e condenou a nova construção de assentamentos pelo governo de Benjamin Netanyahu nos territórios ocupados. “Queremos que se detenha imediatamente o processo de construção de colônias na Cisjordânia e em Jerusalém oriental, que está destinada a ser a capital de um futuro Estado palestino, e a retirada dos colonos israelenses”, disse.

Por Paula Daibert para Social Mercosul

Acesse a cobertura completa da Cúpula Social do Mercosul, que aconteceu nos dias 4 a 7 de Dezembro, em Brasília.

Voir en ligne : Declaração pede suspensão de acordo entre Israel e Mercosul

Répondre à cet article