Ciranda internacional da comunicação compartilhada

agrega noticias de parceiros parcerias da ciranda
Condamnation du Makhzen et soutien à la lutte du peuple sahraoui

Marocains furieux ont attaqué le modérateur de l’assemblée des mouvements sociaux du FSM qui lisait le texte, M. Moumni Rahmani, un Marocain lui-même, le menaçant et le maltraitant en public et le qualifiant de traître.

Communiqué Sortir du Colonialisme

" Alors que la France a entrepris une guerre au Mali au nom de la lutte contre l’occupation d’une partie de ce territoire par les forces djihadistes, elle ne dit et ne fait rien face au Maroc qui occupe illégalement le territoire d’un autre peuple."

Réfugiés subsahariens du camp de Choucha dans une grève de la faim

Quarante-et-un réfugiés subsahariens du camp de Choucha frappent aux portes du très influent Forum Social Mondial pour réclamer la dignité humaine. L’absence de reconnaissance et de solutions concrètes à Tunis les incite à entamer collectivement une grève de la faim le 29 mars 2013 devant le Haut commissariat aux réfugiés (HCR) de Tunis, mettant leur santé - déjà précaire - en danger.

Le "printemps arabe" invite le mouvement altermondialiste

Las mujeres darán el puntapié “oficial” anticipando con su asamblea mundial la apertura de la 12da edición del Foro Social Mundial (FSM) este 26 de marzo

Accueil > FSM > FSM 2012/2013 fr > Doenças raras e negligenciadas : o direito à informação

Doenças raras e negligenciadas : o direito à informação

mardi 11 décembre 2012, par Sucena Shkrada Resk

O direito ao acesso à informação passa por todas as áreas e em especial na de saúde. Na semana passada, tive conhecimento da existência da FEBER – Associação Brasileira de Enfermidades Raras (http://feber-brasil.comunidades.net), que é focada em divulgação sobre esse tema. O site ainda está sendo formatado e deverá ter mais conteúdo a respeito. Isso me chamou a atenção em um país em que ainda falta essa pluralidade de orientações, e por outro lado, apresenta incidência de casos das chamadas doenças negligenciadas.

Imaginei o quanto milhares de pessoas sofrem e até morrem por não saber o tipo de patologia que têm ou que o próprio sistema de saúde e médico não tem uma retaguarda ou conhecimento suficiente. Pior : adoecem por questões de saneamento ambiental.

Segundo a equipe muldisciplinar de profissionais, que forma a FEBER, são conhecidas cerca de sete mil doenças raras e regularmente são descritas novas doenças na literatura médica, e que 50% delas geralmente se manifestam na fase adulta. Uma característica peculiar é que, na maioria das vezes, são crônicas e potencialmente fatais, devido principalmente à falta de diagnósticos e tratamento.

Como exemplo, nessa extensa lista, está a Doença de Pompe, que é neuromuscular e atinge de crianças a adultos. Ela se manifesta de diferentes formas, com fraqueza em pernas e braços e dificuldade na respiração de forma progressiva, entre outros sintomas.

Mais uma iniciativa de apoio aos pacientes, no caso do Estado de São Paulo, é o Fórum de Portadores de Patologias do Estado de São Paulo, que também tem espaço para essa pauta.

Moral da história : é preciso difundir mais informações que ajudem a melhorar a qualidade de vida dos portadores dessas doenças raras, como também das negligenciadas pelo sistema. Nesse caso, segundo o Instituto Nacional de Tecnologia de Inovações em Doenças Negligenciadas (INCT/IDN), são aquelas que não só prevalecem em condições de pobreza, mas também contribuem para a manutenção do quadro de desigualdade. O termo teria sido mencionado na década de 70, pelo programa da Fundação Rockefeller “The Great Neglected Diseases”. De forma sistemática, é difundido desde 2001, pelos Médicos Sem Fronteiras (MSF) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Não é a raridade que as caracterizam, mas a prevalência e sua relação com condições de saneamento básico e situação sanitária. Entre elas, estão a Dengue, a Doença de Chagas, Leishmaniose, Malária, Tuberculose, Hanseníase.

Temos assim duas situações no âmbito da saúde coletiva que merecem mais aprofundamento e atenção, para que o número de cidadãos vitimados diminua e exista retaguarda de prevenção a tratamento e de educação socioambiental e sanitária cada vez mais ampla.

Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk - www.twitter.com/SucenaSResk

Voir en ligne : Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk

Répondre à cet article