Página inicial > BRASIL > Entidades se posicionam contrárias ao debate eleitoreiro sobre a redução da (...)

Entidades se posicionam contrárias ao debate eleitoreiro sobre a redução da maioridade penal

quinta-feira 16 de outubro de 2014, por ,

A Ciranda está entre as organizações que consideram a redução da maioridade penal um retrocesso para os direitos humanos de crianças e adolescentes.

Em período eleitoral, o tema da redução da maioridade penal tem sido, comumente, utilizado por candidatos como alternativa para solucionar o problema da violência no país. Contrários a estes discursos, 84 organizações lançaram nesta quinta-feira, 16, um manifesto onde repudiam a ação destes candidatos.

No documento, as organizações ressaltam alguns pontos importantes para o debate, destacando que a redução da maioridade penal é um retrocesso para os direitos humanos de crianças e adolescentes.

“Infelizmente, constata-se que, ao flexibilizar garantias que protegem estes adolescentes em situação de vulnerabilidade, sob o argumento de que cometem crimes muito graves, os candidatos apenas saciam a ânsia punitivista que demanda, de maneira irracional, o isolamento desses sujeitos. Tal proposta afasta-se dos princípios norteadores do ECA – Estatuto da Criança e Adolescente, em termos de proteção à adolescência, ao buscar punir cada vez mais adolescentes em situação de conflito com a lei, acreditando ser esta a solução para os problemas da criminalidade”.

As organizações acreditam que os candidatos deveriam se comprometer em garantir a efetivação, implementação e aplicação do ECA e SINASE – Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo. “Nos parece muito mais sensato, na tentativa de aliar senso de justiça ao interesse social – palavras tão utilizadas por candidatos –, propostas que garantissem efetivamente a implementação e aplicação do ECA e do SINASE em todo o território nacional, sendo possível, assim, falar-se em soluções que implicam, essas sim, redução da violência e criminalidade – parte integrante da vida de todos os jovens selecionados por esse sistema de sociabilidade perverso. Ocorre que, ao relacionar de maneira superficial justiça social e segurança pública, os candidatos parecem desconhecer a realidade do cotidiano do Sistema de Justiça Juvenil no Brasil”.

A Nota está aberta para mais adesões.

LEIA A NOTA NA ÍNTEGRA NO LINK ABAIXO.
Arquivo em anexo: 20141016200234_nota_de_repudio_contraria_a_reducao_da_maioridade_penal.pdf