Página inicial > FSM WSF 2016 > FSMM. Movimentos lançam Jornada por Democracia

FSMM. Movimentos lançam Jornada por Democracia

sexta-feira 8 de julho de 2016, por ,

Todas as versões desta matéria: [Español] [Português do Brasil]

Nesta sexta feira (8), às 16h, movimentos sociais lançamno Fórum Social Mundial das Migrações, com transmissão pela internet, a Jornada Continental pela Democracia e contra o Neoliberalismo. Confira a convocatória

Nesta sexta feira (8), às 16h, movimentos sociais lançamno Fórum Social Mundial das Migrações, com transmissão pela internet, a Jornada Continental pela Democracia e contra o Neoliberalismo. Confira a convocatória

Após uma década da derrota da Alca – Área de Livre Comércio das Américas, o nosso continente enfrenta uma nova ofensiva neoliberal.

Esta ofensiva é expressa na radicalização das diferentes formas de apropriação e espoliação dos direitos dos povos e nos ataques às populações indígenas, camponesas, trabalhadoras, a mulheres, a jovens e às diversidades raciais, culturais e sexuais, que depois de lutas de resistência recuperaram sua capacidade de ser protagonistas dos processos de mudança e transformação na região.

Além disso, os golpes de estado consumados no Haiti (2004), Honduras (2009) e Paraguai (2012) e em curso no Brasil mostram que o mercado que domina nossas vidas quer acabar com o processo de transformação recentes realizado pelo povo, que resultaram em mais direitos para todos, maior inclusão social, soberania sobre seus territórios e bens comuns e formas e ferramentas mais democráticas para o exercício político e a participação popular.

Nós, participantes e herdeiras e herdeiros de lutas contra os regimes militares na América Latina e no Caribe e contra a violência institucionalizada de estados, que em todo o continente nos levantamos contra a agenda do livre comércio, privatização, exclusão e pobreza representada no projeto neocolonial derrotado da ALCA e que procuramos construir para a nossa resistência respostas para o “Outro mundo é Possível” hoje dizemos: não vamos deixar que se instale em nosso continente um novo ciclo de ditaduras, imposto por poderes executivos, judiciários e legislativos ao serviço dos interesses do mercado capitalista.

Os princípios da solidariedade e do internacionalismo nos unem, assim como a certeza da necessidade de uma transformação sistêmica contra o capitalismo, o patriarcado, o colonialismo e o racismo.
É um novo momento para retomar a ação unificada dos povos das Américas e de nos opormos àqueles que insistem em sua agenda de destruição, desintegração e exclusão.

Chamamos a diversidade de organizações, movimentos sociais e expressões comprometidas com a transformação social para fazer avançar este processo de articulação e tomar as ruas da Nossa América em 4 de novembro de 2016 para gritar a uma só voz:


Ver online : Veja quem participa