Página inicial > FSM > FSM 2012/2013 > Facebook não deixa usuários usarem Guarani-Kaiowá no perfil, reclamam (...)

Facebook não deixa usuários usarem Guarani-Kaiowá no perfil, reclamam internautas

quinta-feira 10 de janeiro de 2013, por Edgard Matsuki, Leyberson Pedrosa,

Entre as reclamações, os internautas afirmam que receberam notificações da rede social que caso não usassem os nomes reais, teriam suas contas suspensas.

Na tarde desta terça-feira (8), alguns usuários da rede social Facebook relataram problemas em suas contas por utilizaram o termo Guarani-Kaiowá no nome do perfil. Entre as reclamações, os internautas afirmam que receberam notificações da rede social que caso não usassem os nomes reais, teriam suas contas suspensas.
Vânia Carvalho é uma internauta que reclamou das regras do Facebook. Segundo o texto postado no blog Rede na Amazônia, "o Facebook está impedindo as pessoas de permanecerem com sobrenomes indígenas, embora aceite termos como "bolinha", "machão", "fofinha"...", questiona Vânia. A usuária Marina Moss também aponta ter recebido a mensagem e que teve que tirar o termo para continuar utilizando a rede.

O Facebook não comenta casos específicos, mas sua assessoria informou que a rede somente notifica ou suspende as contas se elas violarem os termos de usos publicados.

Desde que a justiça do Mato do Grosso do Sul determinou a retirada dos índios Guarani Kayowá da Aldeia Passo Piraju em outubro 2012, protestos têm tomado conta das redes sociais. Além de um abaixo-assinado que contou com mais de 140 mil assinaturas, usuários do Facebook continuam demonstrando apoio aos indígenas incluindo a palavra “Guarani Kayowá” no nome de perfil na rede social.

Leia também:
Por índios no MS, usuários do Facebook trocam sobrenome para Guarani Kaiowá
Resistência Guarani-Kaiowá no Mato Grosso do Sul marca 2012
Estudo contratado pela Funai reconhece terra dos Guarani Kaiowás
Desde que a justiça do Mato do Grosso do Sul determinou a retirada dos índios Guarani Kayowá da Aldeia Passo Piraju em outubro 2012, protestos têm tomado conta das redes sociais. Além de um abaixo-assinado que contou com mais de 140 mil assinaturas, usuários do Facebook continuam demonstrando apoio aos indígenas incluindo a palavra “Guarani Kayowá” no nome de perfil na rede social.