Página inicial > FSM/WSF 2015 - TUNIS > Feministas protestam contra machismo no Metrô

Feministas protestam contra machismo no Metrô

quinta-feira 17 de julho de 2014, por Flaviana Serafim,

"Vagão rosa" disfarça abandono da gestão pública do Estado de SP no transporte e na segurança; protesto foi no Metrô República contra segregação e o machismo.

Feministas da CUT São Paulo, da Marcha Mundial das Mulheres e do Levante Popular da Juventude, entre outras organizações, realizaram nesta quarta (16), no Metrô República, um apitaço contra o ‘vagão rosa’.

O protesto é um repúdio ao Projeto de Lei (PL) nº 175/2013, recém aprovado na Assembleia Legislativa de São Paulo, que obriga as empresas de transporte de trem e metrô a reservarem ao menos um vagão exclusivo às mulheres, como forma de combater o assédio nas composições do Metrô e da CPTM.

Em cerca de 40 minutos, oito mil folhetos (leia aqui) foram distribuídos às usuárias/os da estação, alertando para os perigos da medida na prática, caso o PL seja sancionado pelo governador Geraldo Alckmin. O Metrô República, lotado, repleto de filas até nas escadarias, é só mais uma prova concreta de que o transporte coletivo não tem condições de se adequar ao ‘vagão rosa’.

“Ao invés de combater o assediador e o assédio, reforça que as mulheres fiquem separadas. Isso não vai resolver o problema do transporte coletivo e da violência. Precisamos de transporte de qualidade e segurança para andarmos onde quisermos e como quisermos”, aponta Sônia Auxiliadora, secretária da Mulher Trabalhadora da CUT/SP.

“Somos contra porque o vagão rosa é a segregação das mulheres e nos diz o seguinte: se ela entrar em outro vagão e for ‘encoxada’, não vai poder reclamar?”, questiona Sonia Maria dos Santos, militante da Marcha Mundial das Mulheres (MMM).

Na panfletagem, as mulheres também receberam um apito. “O que protege é a gente apitar bem alto, é retomar nossa voz, porque o machismo ensina a ficarmos caladas. Com nossa força e levantando bem alto a nossa voz, seremos ouvidas”, diz Lira Alli, do Levante Popular da Juventude. E completa: “Não tem vagão rosa na nossa vida”.

Próximos passos - A Central encaminhará ofício ao governador Alckmin, ao Conselho Estadual da Condição Feminina e mensagem aos deputados/as contra a legislação, explica a secretária da CUT/SP

“Se o projeto for aprovado, vamos às últimas instâncias e iremos até o Palácio do Governo, se necessário”, promete Sônia, da MMM.

O PL nº 175/2013 foi aprovado em 3 de julho na Assembleia Legislativa de São Paulo e desde o dia 15 (terça), está em fase de elaboração da chamada Minuta de Autógrafo, documento que seguirá para sanção ou veto do governador, que terá 15 dias úteis para decidir. Caso seja aprovada, as empresas terão 90 dias para se adaptar à nova legislação (acompanhe a tramitação e a íntegra do PL aqui)


Jeniffer e sua filha durante o apitaço

Outros caminhos - Em vez de excluir ou submeter ao assédio nos espaços públicos, os movimentos sociais defendem campanhas educativas paras os homens no sistema televisivo dos metrôs, trens e ônibus. E nas ruas, políticas de segurança pública que garantam proteção às mulheres, à população em geral, em todas as esferas da vida.

Mulheres e homens entrevistados pela CUT São Paulo relataram sua indignação, casos de assédio sofridos e fizeram propostas alternativas ao PL nº 175/2013.

“Tende a piorar. O certo seria a educação geral da população e não segregar mais ainda uma ‘minoria’ que já é afetada”, diz a professora de inglês Jeniffer Rodrigues, 28, enquanto a filha de três anos participa do apitaço nos ombros da mãe.

Para a vendedora Tatiane Carvalho, de 25 anos, “é preciso que os homens tenham consciência. Excluir e separar não adianta”. Vítima de assédio no metrô, ela reagiu e teve apoios de outras pessoas do vagão. “Senti nojo”.

“É bizarro”, definem os jovens amigos Moreno Stédile e Isabela Bianchi, estudantes de 17 anos que lamentam a possibilidade de sair juntos, mas ter que se separarem nos vagões. Para ele, o espaço hoje destinado à propaganda no Metrô deveria ser cedido às campanhas educativas independentes promovidas pelas mulheres dos movimentos sociais “porque uma contra o machismo vinda do PSDB não vai dar certo”, avalia.

Solidariedade internacional com a participação da sindicalista Bilge, da Turquia

“Além disso, o vagão é excludente porque não abrange mulheres trans ou de aparência andrógina. Até o nome ‘vagão rosa’ é ridículo, como se a mulher fosse só cor de rosa e ‘fru-fru’. É inútil e excludente, como se a mulher fosse o problema e não o homem que assedia”, conclui Isabela.

Luta mundial - “Hoje é um dia especial para mim”, expressa com alegria a sindicalista e militante feminista Bilge Coban, da Turquia, na entrega dos folhetos às passageiras/os.

Estudante da Universidade de Campinas (Unicamp) há quatro meses no Brasil, Bilge faz estágio na Central e enviará à Confederação de Sindicatos Progressistas da Turquia (Disk, na sigla em turco) e à revista feminista turca Pão e Rosas (Ekmek ve gül) um relato sobre embate das brasileiras contra o assédio e o machismo, colaborando com a luta também enfrentada pelas turcas.

“O ato foi muito importante e estou feliz em participar ao lado das companheiras brasileiras porque só haverá mudanças quando nos ajudarmos umas às outras ao redor do mundo”.


Ver online : Direto da fonte: