Ciranda internacional da comunicação compartilhada

agrega noticias de parceiros parcerias da ciranda
Condamnation du Makhzen et soutien à la lutte du peuple sahraoui

Marocains furieux ont attaqué le modérateur de l’assemblée des mouvements sociaux du FSM qui lisait le texte, M. Moumni Rahmani, un Marocain lui-même, le menaçant et le maltraitant en public et le qualifiant de traître.

Communiqué Sortir du Colonialisme

" Alors que la France a entrepris une guerre au Mali au nom de la lutte contre l’occupation d’une partie de ce territoire par les forces djihadistes, elle ne dit et ne fait rien face au Maroc qui occupe illégalement le territoire d’un autre peuple."

Réfugiés subsahariens du camp de Choucha dans une grève de la faim

Quarante-et-un réfugiés subsahariens du camp de Choucha frappent aux portes du très influent Forum Social Mondial pour réclamer la dignité humaine. L’absence de reconnaissance et de solutions concrètes à Tunis les incite à entamer collectivement une grève de la faim le 29 mars 2013 devant le Haut commissariat aux réfugiés (HCR) de Tunis, mettant leur santé - déjà précaire - en danger.

Le "printemps arabe" invite le mouvement altermondialiste

Las mujeres darán el puntapié “oficial” anticipando con su asamblea mundial la apertura de la 12da edición del Foro Social Mundial (FSM) este 26 de marzo

Accueil > FSM > FSM 2012/2013 fr > Ler e conhecer "Mulheres negras fazendo história".

Ler e conhecer "Mulheres negras fazendo história".

mercredi 30 janvier 2013, par Simone Ricco

Chega ao público uma revista que permite escrever e fazer ver aspectos presentes na trajetória de mulheres negras brasileiras.

Ao fim do primeiro mês de 2013, começa a circular a revista Mulheres negras fazendo história. O lançamento foi feito na noite do dia 29, em uma roda de conversa que promoveu a troca de experiências entre alguns dos autores de artigos e convidados.

Na roda organizada pela ONG Criola estavam mulheres negras atuantes em diferentes áreas, nas quais ingressaram após passar por semelhante ritual de questionamentos que se impõem no percurso das afro-brasileiras. Abrindo a noite, José Marmo da Silva (na foto abaixo) apresentou a publicação e seu intuito de vir a ser um espaço para veiculação de reflexões e experiências protagonizadas por mulheres negras.

Nesta edição, assinam artigos Thiago Ansel e Adailton Moreira Costa, estudiosos de aspectos presentes em diversos percursos traçados por mulheres negras dedicadas a religiões de matriz africana. Os outros trabalhos deste número são assinados por Luciane O. Rocha, Sandra Almada e Conceição Evaristo, autoras de artigos que falam, respectivamente, sobre a relação entre mulher negra e violência urbana no Rio de Janeiro, representações sociais da mulher negra e escrevivências de mulheres negras no decorrer da vida literária brasileira.

Presentes, Adailton e Conceição falaram sobre seus trabalhos, abrindo espaço para interlocuções vindas de Lúcia Xavier, como também para o relato da médica Cida, da atriz Débora Almeida (na foto acima), da pedagoga Dóris Barros, da educadora Denise Diáspora e demais presentes.

O encontro festejou o surgimento de uma publicação criada para compartilhar vozes e relatos que fortalecem a identidade das mulheres afro-brasileiras e dão visibilidade à participação deste segmento da população brasileira na formação e escrita de nossa história.

Répondre à cet article