Ciranda internacional da comunicação compartilhada

agrega noticias de parceiros parcerias da ciranda
Condamnation du Makhzen et soutien à la lutte du peuple sahraoui

Marocains furieux ont attaqué le modérateur de l’assemblée des mouvements sociaux du FSM qui lisait le texte, M. Moumni Rahmani, un Marocain lui-même, le menaçant et le maltraitant en public et le qualifiant de traître.

Communiqué Sortir du Colonialisme

" Alors que la France a entrepris une guerre au Mali au nom de la lutte contre l’occupation d’une partie de ce territoire par les forces djihadistes, elle ne dit et ne fait rien face au Maroc qui occupe illégalement le territoire d’un autre peuple."

Réfugiés subsahariens du camp de Choucha dans une grève de la faim

Quarante-et-un réfugiés subsahariens du camp de Choucha frappent aux portes du très influent Forum Social Mondial pour réclamer la dignité humaine. L’absence de reconnaissance et de solutions concrètes à Tunis les incite à entamer collectivement une grève de la faim le 29 mars 2013 devant le Haut commissariat aux réfugiés (HCR) de Tunis, mettant leur santé - déjà précaire - en danger.

Le "printemps arabe" invite le mouvement altermondialiste

Las mujeres darán el puntapié “oficial” anticipando con su asamblea mundial la apertura de la 12da edición del Foro Social Mundial (FSM) este 26 de marzo

Accueil > FSM > FSM 2012/2013 fr > Lésbicas protestam contra cotação de pastor para DH

Lésbicas protestam contra cotação de pastor para DH

mardi 5 mars 2013

Pastor cotado para presidir Comissão de Direitos Humanos quer "quebrar hegemonia LGBT" e "defender a família". Confira a nota da União Brasileira de Lésbicas a ser entregue aos minístérios, SPM, SDH e parlamento.

Ao Parlamento e à Sociedade Brasileira :

A Liga Brasileira de Lésbicas manifesta-se ao Parlamento e à Nação Brasileira contra todas as formas de preconceitos e de violação aos Direitos Humanos.

Nosso país passa por momentos de grande importância e enfrenta, como nenhum outro, a crise econômica que assola europa e parte dos países da América Latina, fazendo avançar a igualdade social em todo o território nacional.

Vivemos históricamente num contexto de diversidade religiosa e de respeito ao pensamento e as liberades laicas, com pleno entendimento de que ao Estado compete garantir o direito individual à fé ou à falta de fé. Mas isso vem mudando ao longo dos tempos.

Nos últimos anos percebemos uma ofensiva fundamentalista sobre direitos sobretudo da população LGBT, mas também sobre o direito das mulheres e da população negra.

Bancadas religiosas no Congresso Nacional tentam ignorar a constituição das Novas Famílias e insistem em realizar uma cruzada anti-gay, impedidndoa avanços civis importantes, que colocaria em pé de igualdade LGBTs com o resto da população.

Agora avançam sobre a Comissão de Direitos Humanos da Câmara, numa tentativa visível de impedir a aprovação da PLC 122, da PEC do Casamento Igualitário e qualquer outra discussão que diga respeito a LGBTs, aborto ou, mesmo, igualdade racial.
Indicam, para preencher a vaga o nome de um Deputado que já deveria ter sido cassado em função de suas manifestações racistas e homofóbicas, mas que, ao contrário, ganhará o posto de presidente da Co missão de Direitos Humanos.

Isso não ajuda no debate democrático e acirra os ânimos do movimento LGBT organizado Brasil afora.

A Liga Brasileira de Lésbicas não permitirá que nenhum retrocesso seja impostos às Lésbicas e Mulheres bi-sexuais.

Ocuparemos as ruas e o parlamento se for necessário, mostrando que a população Brasileira não está representada por este pensamento fundamentalista e reacionário que tenta, falsamente, se utilizar da fé para pregar o ódio e a segregação.

Nossa Constituião Federal é LAICA e o Brasil é LAICO !

Respeitamos a manifestação de fé das pessoas e lutaremos para que religiões possam continuar sendo exercidas, ou não, por cada cidadão e cada cidadã. Mas não aceitaremos o desrespeito às liberdades laicas e a imposição de uma moral religiosa que desconsidera nossos afetos, nossas ligações e nossas famílias.
A Comissão de Direitos Humanos da Câma ra é um espaço dos movimentos sociais, onde apresentamos e defendemos nossas bandeiras e que ocuparemos esteja ela na coordenação de que partido for, porque trata-se de espaço democrático e republicano, do qual jamais abrireos mão.

LIGA BRASILEIRA DE LÉSBICAS.

[Pastor cotado para presidir Comissão de Direitos Humanos quer "quebrar hegemonia LGBT" e "defender a família"]

O que acontece quando religião e legislação andam juntas.

No Jornal do Commercio deste sábado

A possibilidade de o deputado e pastor evangélico Marco Feliciano (PSC-SP) vir a presidir a Comissão de Direitos Humanos da Câmara provocou reação de parlamentares de outras legendas e com tradição de atuação nessa área.

Conhecido por suas posições radicais e conservadoras em relação a homossexuais, negros e a qualquer prática de aborto, Feliciano é um dos favoritos no PSC para assumir a comissão, o que será decidido na próxima terça-feira.

O deputado fala que, se vier a comandar a comissão, pretende quebrar a hegemonia da comunidade LGBT. "Na comissão só vejo a comunidade LGBT. Só se fala disso ali. Há um privilégio para esse grupo. Se tiver a felicidade de ser presidente, vou cuidar da pauta da família. Sei o que é certo e errado. Agora, o pessoal que se acha dono da comissão não me quer lá. Que mistério é esse ? O que não querem que eu descubra lá ?", indagou Marco Feliciano.

Um dos fundadores dessa comissão, o deputado Nilmário Miranda (PT-MG), ex-ministro dos Direitos Humanos, diz que qualquer partido pode presidi-la, mas não qualquer um. Sem citar o nome de Feliciano, Nilmário diz que alguém com o perfil do deputado não deve estar à frente da comissão.

"Qualquer partido pode assumir a comissão, que é suprapartidária, vinculada aos preceitos da Constituição e da Declaração Universal. Não pode ter preconceito contra ninguém, nem deve. Agora, não pode ser uma pessoa que não comunga com os valores dos direitos humanos, que tenha preconceitos e discriminação. Esta comissão funciona há 20 anos como um espaço dos movimentos sociais e das minorias. Não se pode cortar isso", disse Nilmário Miranda.
Ele citou um parlamentar do PSC que p oderia ocupar o cargo : "Tem Hugo Leal (PSC-RJ). Já me falaram bem dele, que é um deputado muito sério, muito respeitado e muito querido".

Feliciano diz que Jean Wyllys o persegue. Feliciano passou a sexta-feira rebatendo críticas à sua indicação para a comissão na rede social. Ele escreveu em seu Twitter : "Perseguição religiosa ? Marco Feliciano sofre retaliações da comunidade LGBT para não assumir a Comissão".

O parlamentar já disse que o amor entre pessoas do mesmo sexo leva ao ódio, ao crime e à rejeição. Em 2011, criou polêmica ao escrever que "os africanos descendem de um ancestral amaldiçoado por Noé", e que essa maldição é que explica o "paganismo, o ocultismo, misérias e doenças como ebola" na África.

Répondre à cet article