Página inicial > FSM/WSF 2015 - TUNIS > Literatura e política na América Latina

Literatura e política na América Latina

Jornadas Bolivarianas 2015

terça-feira 15 de setembro de 2015, por Agenda,

Escritores como Gabriel Garcia Marques, Lima Barreto, Rodolfo Walsh, Roque Dalton, Jorge Amado, Oswald de Andrade, entre outros, terão suas obras analisadas levando-se em consideração o valor literário e a capacidade que tiveram de narrar a realidade

Começa nessa segunda-feira, dia 21 de setembro, mais uma edição das Jornadas Bolivarianas, principal evento do Instituto de Estudos Latino-Americanos (IELA). O tema dessa décima- primeira edição é Literatura e Política na América Latina. As atividades acontecem no Auditório do Centro Socioeconômico.

Os latino-americanos têm uma exuberante literatura e, ela, mais do que uma área de estudo, é um instrumento muito poderoso de conhecimento da realidade. Guerreiro Ramos, importante estudioso brasileiro, afirmava categoricamente que os primeiros sociólogos da América Latina foram os literatos, figuras que descreviam com grandeza e perspicácia a realidade do continente. No Brasil podem-se citar autores como Euclides da Cunha e Lima Barreto, que narraram episódios cruciais da vida nacional. Cunha descrevendo Canudos, fazendo estudos sobre as fronteiras nacionais, e Lima Barreto discutindo a cultura e a vida cotidiana de um país que entrava na chamada "modernidade". Obras de imenso valor literário e de profundo conhecimento sobre o país. A literatura, portanto, em toda a América Latina, faz parte da construção da nossa identidade como povo. Por conta dessa riqueza cultural o Instituto de Estudos Latino-Americanos decidiu trabalhar nessa décima primeira edição das Jornadas Bolivarianas o tema Literatura e Política na América Latina, pois era uma lacuna que se apresentava nos nossos estudos.

A literatura, ao contrário de outros campos como a Economia, Sociologia, Filosofia, História e outros, chega à população sem o filtro universitário. Milhões de pessoas se interessam por ela, dispensando a intervenção da universidade que é marcada pelo eurocentrismo, pelo colonialismo e pela indústria cultural. Assim, para nós, passa a ser fundamental discutir esse campo do conhecimento, que é uma forma de expressão da identidade latino-americana, que aparece como uma crítica do passado e do presente, como recuperação da historia comum e projeção de um futuro emancipatório na América Latina.

Tematizar essa relação fecunda/conflituosa entre a literatura e a política tem consequências políticas extraordinárias para a universidade e para o país. Os autores latino-americanos são reconhecidos em todo o mundo por sua qualidade, mas isso é o menos importante. O que nos leva a essa jornada de debates é conhecer a explosiva relação daquilo que os escritores levantam como realidade local, nacional e continental para que possamos pensar um futuro melhor.

Nesse sentido, a XI Edição das Jornadas Bolivarianas convoca renomados intelectuais e literatos da América Latina que dedicam sua vida intelectual a analise da estreita e conflituosa relação entre o surgimento de uma literatura genuinamente latino-americana e os grandes antagonismos que marcam a evolução de nossas sociedades. Escritores como Gabriel Garcia Marques, Lima Barreto, Rodolfo Walsh, Roque Dalton, Jorge Amado, Oswald de Andrade, entre outros, terão suas obras analisadas levando-se em consideração não apenas o valor literário do trabalho, mas a capacidade que tiveram de narrar a realidade, colocando a nu problemas nacionais que acabaram se universalizando pela força de suas narrativas.

Todas as atividade acontecem no Auditório do Centro Sócio-Econômico/UFSC

Programação

Dia 21 de Setembro

Manhã (Auditório do CSE)

As inscrições são gratuitas e feitas no local do evento

8:30 - Abertura oficial das XI Jornadas Bolivarianas

9:15 - Atividade Cultural - Teatro

9:30 - Conferência: Gabriel Garcia e a realidade latino-americana

Victor Moncayo - Colômbia

Coordenação: Nildo Ouriques

Tarde (Auditório do CSE)

14:30 às 18:00

Apresentação de Trabalhos

1 - O Brasil e o capitalismo dependente: integração ou subimperialismo regional? - Poliana Garcia Temistocles.

2 - A construção de um espaço para fortalecimento do poder popular na América Latina: o Sippal - Layssa Maia, Marina Freire, Dennis Rodrigues Martins.

3 - As missões sociais na Venezuela de Hugo Chávez e os desafios de Nicolás Maduro no campo social - Rafael Teixeira de Lima.

4 - Teoria da Dependência Marxista: uma análise da inserção da América Latina no Comércio Internacional nos anos 2000 - Giselle Nunes Florentino.

Noite (Auditório do CSE)

19:00 - Atividade Cultural

19:15 às 21:30

Conferência: Literatura e memória histórica

Tânia Ramos - Santa Catarina

Conferência: "Narrar o ultraje: literatura, memória e testemunho"

Fábio Lopes - Brasil

Coordenação: Waldir Rampinelli

Dia 22 de setembro

Manhã (Auditório do CSE)

09:00 - Atividade Cultural

09:15 - Conferência: Estética e militância em Roque Dalton

Luis Edgar Alvarenga Vásquez - El Salvador

Coordenação: Paulo Capela

Tarde (Auditório do CSE)

14:30 às 18:00

Apresentação de Trabalhos

1 - Por uma nova mística: uma história de amor e fúria e os desafios de uma estética revolucionária para a América Latina no novo capitalismo global - João Gabriel de Almeida

2 - Literatura e questão nacional em José Carlos Mariátegui - Bernardo Soares Pereira

3 - La voz del silêncio: contemporaneidad y oralidad en la poesia Mapuche de Elicura Chihuailaf Nehuelpán - Patricia de Moura Leite

4 - Escritura e Militância na Literatura argentina dos anos 70 - André Queiroz

5 - A micro autobiografia de Odair de Moraes: uma proposta de leitura à luz do marxismo - Edson José Sant´Ana, Gabriela Balbino Simões, Iago Silva e Souza.

Noite (Auditório do CSE)

19:00 - Apresentação Cultural - Lançamento do livro "O golpe da reforma agrária - fraude milionária na entrega de terras em Santa Catarina" – de Gert Shinke

19:15 - Conferência: Oswald de Andrade, o inimigo da piada

Gilberto Felisberto Vasconcellos - Brasil

Coordenação: Elaine Tavares

Dia 23 de setembro

Manhã (Auditório do CSE)

09:00 - Atividade Cultural

09:15 - Conferência: Un abanico o una pistola - Três pistas para pensar a relação entre literatura, jornalismo e intervenção política no pensamento de Rodolfo Walsh

Natália Vinelli - Argentina

Coordenação: Lauro Mattei

Tarde (Auditório do CSE)

14:30 às 17:00

Lançamento do documentário

El Pueblo Que Falta

Direção de André Queiroz – O trabalho aborda a questão da violência de Estado em América Latina (mais precisamente, Argentina, Brasil, Chile e Peru) e os processos de insurgência. Projeção seguida de debate.

Noite (Auditório do CSE)

19:00 - Atividade Cultural

19:15 - Conferência: A literatura e a militância política de Lima Barreto

Denilson Botelho - São Paulo

Coordenação: Nildo Ouriques


Obs da Ciranda: ainda não temos informações sobre análises de obras de mulheres escritoras no encontro.