Página inicial > BRASIL > Comunicação > Mais de 100 mulheres morrem no Pará por complicações na gravidez

Mais de 100 mulheres morrem no Pará por complicações na gravidez

sábado 27 de outubro de 2012, por Vanessa Cruz,

Pré-natal adequado pode salvar a vida da mãe e do bebê.
Maioria dos atendimentos da Santa Casa vêm do interior do estado.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde do Pará (Sespa) nos últimos seis anos pelo menos 108 mulheres morreram devido a complicações durante a gravidez. Mortes que poderia ter sido evitadas com um pré-natal adequado. Um evento realizado nesta quinta-feira (25), em Belém, reuniu profissionais da saúde para discutir a integração do atendimento as gestantes.

Na Santa Casa de Misericórdia do Pará, principal maternidade do estado, metade das mulheres que dão a luz no hospital vêm do interior do estado. Elas são jovens, têm entre 18 e 25 anos, e não realizam o número mínimo de oito consultas de pré-natal recomendadas durante a gravidez.

"Ao pré-natal mais básico muitas vezes ela não tem acesso, não vai porque acha que já teve muitos filhos e sabe o que o médico vai dizer ou ainda está matriculada mas recebe atenção deficiente", conta Ana Marta Batista, médica especialista em tocoginecologia.

Deuza Silva vive na Ilha do Marajó e veio até a Santa Casa em Belém para dar a luz. Ela diz que teve apenas algumas consultas de pré-natal. "Que eu lembre, foram apenas quatro", conta. A falta de acompanhamento contribui para o índice de maternidade materna. No Estado, de 2006 até setembro de 2012 cerca de 108 gestantes morreram por complicações na gravidez.

"Muitas vezes essa detecção de risco não acontece e essa gestante começa sendo abandonada na rede de saúde em busca até do hospital onde vai ter o bebê", critica Ana Crezzo, coordenadora estadual de saúde da criança.

O acompanhamento médico pode ajudar ainda a salvar a vida dos bebês. "Através do pré-natal bem feito, se detectamos no primeiro trimestre alterações no coração ou rins, imediatamente uma rede, uma equipe, se forma ao redor desta mãe para receber o bebê. Podemos corrigir nos primeiros dias de vida uma doença e dar a essa criança a possibilidade de viver normalmente no futuro", assegura Laises Braga, do Hospital das Clínicas de Belém.


Ver online : G1