Ciranda internacional da comunicação compartilhada

agrega noticias de parceiros parcerias da ciranda
Condamnation du Makhzen et soutien à la lutte du peuple sahraoui

Marocains furieux ont attaqué le modérateur de l’assemblée des mouvements sociaux du FSM qui lisait le texte, M. Moumni Rahmani, un Marocain lui-même, le menaçant et le maltraitant en public et le qualifiant de traître.

Communiqué Sortir du Colonialisme

" Alors que la France a entrepris une guerre au Mali au nom de la lutte contre l’occupation d’une partie de ce territoire par les forces djihadistes, elle ne dit et ne fait rien face au Maroc qui occupe illégalement le territoire d’un autre peuple."

Réfugiés subsahariens du camp de Choucha dans une grève de la faim

Quarante-et-un réfugiés subsahariens du camp de Choucha frappent aux portes du très influent Forum Social Mondial pour réclamer la dignité humaine. L’absence de reconnaissance et de solutions concrètes à Tunis les incite à entamer collectivement une grève de la faim le 29 mars 2013 devant le Haut commissariat aux réfugiés (HCR) de Tunis, mettant leur santé - déjà précaire - en danger.

Le "printemps arabe" invite le mouvement altermondialiste

Las mujeres darán el puntapié “oficial” anticipando con su asamblea mundial la apertura de la 12da edición del Foro Social Mundial (FSM) este 26 de marzo

Accueil > FSM > FSM 2012/2013 fr > Marcha da Terra unifica mundo árabe em Túnis

Marcha da Terra unifica mundo árabe em Túnis

mardi 2 avril 2013, par Deborah Moreira

O desejo de mudança do povo árabe fez Túnis pulsar mais forte durante a Marcha da Terra do Fórum Social Mundial (FSM) da Tunísia, ocorrida no sábado (30), quando é celebrado o Dia da Terra na Palestina. Confira fotos.

A data é simbólica e por isso foi escolhida para a realização de uma marcha de encerramento do FSM. Durante todo o percurso, diferentes bandeiras marcharam juntas pela libertação e reconhecimento da Palestina.

Depois de cinco dias de atividades, uma das maiores marcas que ficará para quem esteve na capital tunisiana para participar do Fórum certamente é a necessidade que a população da região tem de sair às ruas para gritar ao mundo que vivem uma transformação, ou pelo menos buscam por ela.

“Pela libertação da Palestina”, exclamavam os ativistas durante a caminhada, que seguiu até a Embaixada da Palestina. Outras palavras de ordem eram : “O povo quer a palestina livre”. “Está vivo, está vivo, Chokri Belaid” e “Tahim Palestine”, referindo-se à Praça Tahim, no Egito, palco da insurgência popular naquele país, como se dissessem : façamos Tahim na Palestina.

Durante a concentração, que começou por volta das 15h, na Avenue Habib Bourguiba, uma das principais vias de Túnis, muita música e dança. Em um canto, crianças palestinas formavam um coral exaltando a Palestina, em outro, homens festejavam o Dia da Terra ao som de um trompete típico palestino.

Encerramento


Sob forte emoção, os participantes do ato cantaram, por volta das 18h30, o hino da Tunísia e o hino da Palestina em frente à embaixada, onde foi feito um rápido discurso de encerramento por diplomatas e ativistas presentes na sacada do prédio.

Como na marcha de abertura, um forte esquema de segurança foi adotado pela polícia local afim de evitar confrontos e atentados, tendo em vista a situação atual do país, chocado com o assassinado do líder da oposição, o advogado Chokri Belaid. Ao final, era possível ver mais uma dezena de carros da Polícia e homens fortemente armados. Durante todo o FSM, o policiamento esteve presente no evento, porém, de maneira discreta.

Histórico

No dia 30 de março de 1976 seis manifestantes morreram nas mãos de policiais israelenses durante um protesto contra o confisco e invasão das terras em Gaza pelo governo de Israel. Neste 30 de março de 2013, milhares de palestinos e simpatizantes da causa se reuniram para chamar a atenção da necessidade de dar um basta a ofensiva israelense em Gaza, que se segue sendo algo de confiscos de terra, de invasões promovidas pela polícia israelense. Assim, pouco a pouco, vão tomando a terra palestina.

Deborah Moreira
Vermleho

Répondre à cet article