Página inicial > FSM/WSF 2015 - TUNIS > Fórum Mundial de Mídia Livre > Mídias Livres organizam Seminário internacional

Mídias Livres organizam Seminário internacional

domingo 12 de janeiro de 2014, por Terezinha Vicente , Diane Garceau

Todas as versões desta matéria: [English] [Português do Brasil]

A construção da Carta Mundial da Mídia Livre, proposta no 3º Fórum Mundial de Mídia Livre realizado em Tunis 2013, é o principal debate neste seminário, que acontece junto com o Fórum Social Temático, em Porto Alegre.

O seminário, que acontecerá no dia 25 de janeiro, será realizado no Auditório Dante Barone da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul. O encontro, que contará com importantes presenças internacionais, é parte do processo de construção do 4º Fórum Mundial de Mídia Livre; outras etapas regionais acontecerão este ano ainda na Tunísia, Marrocos e Paris, a princípio. Aqui será iniciada a construção da Carta Mundial da Mídia Livre, proposta em Tunis para ser elaborada e aprovada na quarta edição do FMML. Carta que se quer uma ferramenta comum para as diferentes regiões do mundo, que possa refletir as posições e anseios dos vários meios de comunicação livres; uma carta que se quer elaborar de forma compartilhada com movimentos sociais de todo o planeta.


Plenária no 3ºFMML

Construindo um fórum mundial

A terceira e última edição do FMML realizou-se junto ao Fórum Social Mundial 2013, na Tunísia. Aproximar os inúmeros atores, ativistas, organizações e mídias alternativas e independentes da região do norte da África e Oriente Médio – que estão no centro das revoluções ainda em curso no Magreb-Mackreck – do movimento internacional em defesa do direito à comunicação foi um de seus principais objetivos; também dar visibilidade às suas demandas como parte de uma dinâmica de solidariedade internacional, sem a qual nenhuma luta pode, de fato, ser vitoriosa. A luta pela liberdade de expressão e pela construção de uma mídia livre, alternativa e independente se mostra cada vez mais estratégica naquela região. E aqui também, por isso continuamos no caminho de juntar cada dia mais pessoas e movimentos a esta causa.


África e América Latina na mesa

Depois de duas edições no Brasil (Belém 2009 e Rio de Janeiro 2012), onde o centro do debate foram as experiências de marcos regulatórios democratizantes na América Latina, o FMML desta vez se constituiu num espaço de trocas e construção de conhecimento em torno desta agenda global. Seja na Tunísia, com censura na internet, seja na repressão às rádios comunitárias nos países da África subsariana, nas novas ou antigas mídias, o desafio é enorme. Na Palestina ocupada, um dos temas centrais naquela edição do Fórum Social Mundial, a comunicação alternativa se mostra fundamental para desmistificar o que a grande mídia relata de forma homogênea.

Memória e conhecimentos livres

Em um de seus momentos mais simbólicos, o 3º FMML homenageou, numa exposição idealizada pela Ciranda Internacional da Comunicação Compartilhada, aqueles/as que tombaram exercendo sua liberdade de expressão em todo o mundo. Um dos nomes é o de Fidan Dogan, do Curdistão, ativista que chegou a participar do FMML anterior, realizado na Cúpula dos Povos da Rio+20, buscando visibilidade para a luta do povo curdo, ignorada pela imprensa tradicional. As ameaças à liberdade na internet seguem crescentes em todo o mundo e, junto com a questão tecnológica, foram temas de inúmeros debates no Fórum de Mídia Livre em Tunis.


Abertura da homenagem aos midiativistas

Também serão prioridades neste Seminário, além da elaboração coletiva da Carta Mundial da Mídia Livre e da escolha de local e data do 4º FMML. “Também queremos avançar nas perspectivas de apropriação tecnológica pelos movimentos e coletivos que furam o cerco da grande mídia e embaralham as cartas do big date”, diz Rita Freire, da Ciranda da Comunicação e da organização do FMML. “No final das contas, não se trata de um debate restrito a plataformas, mas de valores que queremos para o mundo”.