Ciranda internacional da comunicação compartilhada

agrega noticias de parceiros parcerias da ciranda
Condamnation du Makhzen et soutien à la lutte du peuple sahraoui

Marocains furieux ont attaqué le modérateur de l’assemblée des mouvements sociaux du FSM qui lisait le texte, M. Moumni Rahmani, un Marocain lui-même, le menaçant et le maltraitant en public et le qualifiant de traître.

Communiqué Sortir du Colonialisme

" Alors que la France a entrepris une guerre au Mali au nom de la lutte contre l’occupation d’une partie de ce territoire par les forces djihadistes, elle ne dit et ne fait rien face au Maroc qui occupe illégalement le territoire d’un autre peuple."

Réfugiés subsahariens du camp de Choucha dans une grève de la faim

Quarante-et-un réfugiés subsahariens du camp de Choucha frappent aux portes du très influent Forum Social Mondial pour réclamer la dignité humaine. L’absence de reconnaissance et de solutions concrètes à Tunis les incite à entamer collectivement une grève de la faim le 29 mars 2013 devant le Haut commissariat aux réfugiés (HCR) de Tunis, mettant leur santé - déjà précaire - en danger.

Le "printemps arabe" invite le mouvement altermondialiste

Las mujeres darán el puntapié “oficial” anticipando con su asamblea mundial la apertura de la 12da edición del Foro Social Mundial (FSM) este 26 de marzo

Accueil > FSM > FSM 2012/2013 fr > Mulheres mortas em Paris difundiam luta curda pelo mundo

Mulheres mortas em Paris difundiam luta curda pelo mundo

mardi 15 janvier 2013, par RFreire

Os assassinatos da três representantes curdas são golpe contra a articulação da solidariedade internacional e as negociações em favor dos presos políticos curdos na Turquia. Fidan Dogan esteve em junho no Brasil participando da Cúpula dos Povos, do Fórum Mundial de Mídia Livre e da reunião do Conselho Internacional do FSM

Nas fotos, Sakine Cansız, Fidan Dogan e Leyla Söylemez

Em junho de 2012, a ativista curda Fidan Dogan, conhecida como Rojbin, integrante do movimento das mulheres livres e membro do Congresso Nacional do Curdisão baseado na Bélgica, esteve no Rio de Janeiro para defender o direito à identidade curda como um bem comum inalienável de seu povo. E para divulgar a campanha pela libertação das lideranças presas na Turquia, entre elas Abdullah Öcalan, lider do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

Ela integrou a comitiva que veio ao Brasil também para participar do II Fórum Mundial de Mídia Livre, onde seu companheiro de delegação, Yilmaz Orkan, relatou a dificuldade de divulgar na grande imprensa a luta e o sofrimento do povo curdo, um povo sem Estado, que se divide entre a Turquia, Siria, Iraque e Iran, e luta por reconhecimento político e preservação de sua história. As notícias dos frequentes ataques aos curdos na Turquia somente circulam pelas midias alternativas do mundo, inclusive no Brasil, afirmaram. Por isso o trabalho de ativistas como Fidan Dogan, a Rojbin, a partir de Paris e da Bélgica, era crucial para difundir a realidade curda e buscar solidariedade mundial.

Yilmaz e Rojbin, na mesma oportunidade, estiveram presentes à uma reunião de integrantes do Conselho Internacional do FSM, no Rio, dando continuidade a um processo iniciado com a presença do Conselho em Dyiarbakir, em 2011, com o objetivo de aproximar as lutas do povo curdo das agendas de solidariedade dos movimentos sociais pelo mundo.

Assassinos querem barrar negociações de paz

Em 10 de dezembro último, Fidan Dogan e duas companheiras da resistência do povo curdo foram executadas dentro do Centro de Informação Curda mantido em Paris. Ela era a dirigente do centro estratégico e uma representante diplomática do Curdistão na Europa. Com Rojbin estavam Leyla Söylemez, jovem militante política e Sakine Canziz, uma alta liderança do Partido dos Trabalhadores Curdos (PKK), do qual foi fundadora em 1978. Por sua militância, Sakine passou vários anos presa na Turquia. Era uma feminista altiva, que mesmo prisioneira chegou a cuspir no rosto do diretor do presídio. Ficou 11 anos encarcerada.

Muito pela influência de Sakine, o PKK apostou no poder das mulheres para organizar a resistência, liderar guerrilhas e ocupar postos chave na política curda.

"Foi com choque e pesar que recebemos a horrível notícia das mortes de nossas queridas amigas que foram massacradas em Paris de modo grotesco", diz um comunicado da EUTCC, Comissão Civil da Turquia na União Europeia. Rojbin vinha trabalhando com essa comissão há vários anos e "seu trabalho vinha sendo muito importante para nossa atividade internacional pelos curdos", explica a nota.

Para a comissão, o assassinato das três mulheres políticas de alta relevância foi um golpe contra as negociações que vinham sendo organizadas em Imrali entre o Estado da Turquia e o lider do PKK Abdullah Öcalan. "A tragédia de Paris mostra que há forças obscuras profundas, inimigas da paz, contra o novo processo político, a ponto de julgarem necessário assassinar três pólíticas curdas que estavam trabalhando por uma solução e pela paz"

Pelo modo como as mortes ocorreram (os corpos foram encontrados pela manhã, com tiros na cabeça), a Confederação do Povo Curdo avalia que os assassinos eram profissionais a serviço internacional, que o massacre foi organizado e implementado por quem não deseja o sucesso das negociações com Öcalan e quer manter o jugo colonial da Turquia sobre o Kurdistão.

Os curdos cobram das autoridades francesas providências imediatas para por fim à sua criminalização no país. "Os curdos na França e na Europa não constituem ameaças às autoridades nos países em que vivem. Pelo contrário, eles trabalham firmemente em busca de solução para os problemas na Turquia e deveriam ser premiados em vez de criminalizados, perseguidos, encarcerados como o diplomata curto Adem Uzun, ou mortos".

Rojbin vinha manifestando preocupação com a política francesa em relação aos curdos. Em entrevista ao "Avant Garde", em junho de 2012, ela alertou para a contradição de uma França que de se opos à entrada da Turquia na União Europeia, mas, a fim de preservar suas relações com a Turquia, fez acordos para prender curdos militante. "Desde 2007, tem havido várias prisões, buscas invasivas, e processos na França", denunciou.

A razão das mortes e das forças por trás delas ainda não foram esclarecidas - "mas serão", garante a comissão." Estas pessoas devem saber que tais assassinatos ou qualquer proovocação que possam fazer no futuro não vão interromper o processo de paz. .. Forças do mal em qualquer forma que tomem nunca derrotarão a vontade genuína do povo curdo por liberdade - elas apenas tornarão mais forte o trabalho para conquista-la. O trabalho incansável de Sakine Canziz, Fidan Dogan e Leyla Söylemez’s pelo povo curdo ficará para sempre como um monumento em suas memórias", diz o comunicado.

Répondre à cet article