Página inicial > FSM/WSF 2015 - TUNIS > Nota de repúdio à coluna de Cacau Menezes no Diário Catarinense

Nota de repúdio à coluna de Cacau Menezes no Diário Catarinense

sábado 12 de setembro de 2015, por ,

Estudantes e jornalistas egressos da Universidade Federal de Santa Catarina responsabilizam o colunista e o jornal por ofenderem uma policial em razão de gênero, além de publicar foto provavelmente não autorizada

O Coletivo Jornalismo Sem Machismo, formado por alunes e egresses do curso de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina, repudia a coluna de Cacau Menezes veiculada hoje (10/09) no jornal Diário Catarinense e reproduzida no Jornal do Almoço, da RBS. O colunista publicou a foto de uma policial de costas com a legenda “opinião é unânime: a qualidade da PM de Santa Catarina é a melhor do Brasil”. Nós, jornalistas e futuras profissionais da área repudiamos sua atitude que, apesar de ter autonomia dentro de sua coluna, responde pelas mesmas responsabilidades de um jornalista estando dentro do maior veículo de comunicação do estado.

Destacamos ainda outros problemas: a mulher exposta foi fotografada enquanto trabalhava e sequer olhava para a fotografia. Logo, acreditamos que o colunista não possui autorização para possuir essa foto, menos ainda para publicá-la em uma coluna que circula em todo o estado. Objetificar o corpo de uma mulher em detrimento do serviço que ela presta é não só uma atitude baixa, machista e misógina, mas também pode dificultar ainda mais o trabalho da policial, já que é sabido que muitas dessas profissionais sofrem com o machismo nesses espaços que são dominados por homens [1]. Cacau Menezes reduziu a profissão de uma mulher à imagem do seu corpo, que agora está impresso na página de um jornal para o deleite de quem quiser.

Ressaltamos ainda que nesse caso – e, infelizmente, muitos outros que já passaram nas páginas desse colunista – a responsabilidade da exposição dessa mulher também é do jornal Diário Catarinense, que permite que esse tipo de conteúdo seja publicado sem nenhuma reprimenda.

Proibir que mulheres sejam objetificadas em um veículo de comunicação não é censura: é responsabilidade e ética profissional.

[1]: http://g1.globo.com/…/pesquisa-diz-que-40-das-policiais-ja-…

Fonte: Coletivo Jornalismo sem Machismo.