Ciranda internacional da comunicação compartilhada

agrega noticias de parceiros parcerias da ciranda
Condamnation du Makhzen et soutien à la lutte du peuple sahraoui

Marocains furieux ont attaqué le modérateur de l’assemblée des mouvements sociaux du FSM qui lisait le texte, M. Moumni Rahmani, un Marocain lui-même, le menaçant et le maltraitant en public et le qualifiant de traître.

Communiqué Sortir du Colonialisme

" Alors que la France a entrepris une guerre au Mali au nom de la lutte contre l’occupation d’une partie de ce territoire par les forces djihadistes, elle ne dit et ne fait rien face au Maroc qui occupe illégalement le territoire d’un autre peuple."

Réfugiés subsahariens du camp de Choucha dans une grève de la faim

Quarante-et-un réfugiés subsahariens du camp de Choucha frappent aux portes du très influent Forum Social Mondial pour réclamer la dignité humaine. L’absence de reconnaissance et de solutions concrètes à Tunis les incite à entamer collectivement une grève de la faim le 29 mars 2013 devant le Haut commissariat aux réfugiés (HCR) de Tunis, mettant leur santé - déjà précaire - en danger.

Le "printemps arabe" invite le mouvement altermondialiste

Las mujeres darán el puntapié “oficial” anticipando con su asamblea mundial la apertura de la 12da edición del Foro Social Mundial (FSM) este 26 de marzo

Accueil > FSM > FSM 2012/2013 fr > O jogo de Xadrez na Petrobrás

O jogo de Xadrez na Petrobrás

jeudi 31 janvier 2013, par Marco Aurélio Cabral Pinto

Toda boa história começa com mistério. O mistério colocado me parece por quê os preços da Petrobrás em Bolsas de Valores não reagiram mais após o anúncio de aumento nos preços de combustíveis no último dia 29 de janeiro. A razão, consensuada na rodinha dos excelentes analistas financeiros que cobrem a empresa, pode ser bem sintetizada nas palavras de um deles :

“Petrobras announced the much awaited increase in refined products prices : +6.6% for gasoline and +5.4% for diesel, effective Jan. 30. In our view, any increase is positive for Petrobras, since it should contribute to a reduction in losses arising from importation of gasoline and diesel at international prices and re-selling at prices below cost. However, the announced adjustment still leaves a relatively sharp gap (estimated at 9% for gasoline and 13% for diesel). As a result, we do not expect any significant positive market reaction to the announcement”. [BoAML]

Aparentemente, o “mercado” antecipava aumento de 7% médios ao longo do ano, sendo o gap restante ainda não coberto estimado em 9% para gasolina e 13% para o diesel. Dessa maneira, o mistério pode ser recolocado mais tecnicamente como : dado que não havia info pública sobre montante de reajuste agora e, considerando-se que resta ainda gap a ser preenchido em termos de aumento de preços, como os analistas calibraram ex ante a régua do aumento nas suas projeções ?

Afastada hipótese conspiratória de vazamento de informações, quiromancias ou outras maluquices, nos parece razoável supor que trata-se apenas dos velhos expedientes de “mercado”.

É notória a importância dos investimentos da Petrobrás nos próximos anos (corresponde a cerca de 1/3 das inverões totais esperadas para a indústria brasileira) para a continuidade do crescimento econômico do país. Haverá exigências de indice de nacionalização para equipamentos, o que contribuirá para alavancar receitas para o frágil setor tecnológico de bens de capital. A infraestrutura aeroportuária que será desenvolvida para produção do óleo no pré-sal mudará o aproveitamento do mar brasileiro. A indústria naval, cuja ausência tanto pesa nas contas nacionais, demandará insumos industriais em larga escala. Com o pré-sal em andamento, a demanda por engenheiros aumentará exponencialmente, o que contribuirá para formação de massa crítica tecnológica em escala ainda não alcançada. Enfim, múltiplos argumentos sustentam a importância histórica da nossa empresa de petróleo neste momento.

O correto dimensionamento dos níveis de produção em cada momento determinará o tamanho relativo que o complexo pertrolífero ocupará em relação a outras cadeias produtivas no país. Caso muito grande, grande também será esperada a influência dos interesses internacionais do petróleo na formação do pacto político brasileiro. É isso que queremos ?

Se a empresa quisesse maximizar divisas apenas, aumentaria o preço dos combustíveis em busca de antecipação das receitas. Focaria em algumas áreas e deixaria inteiramente ao capital estrangeiro a responsabilidade de dimensionamento do complexo petrolífero no país.É isso o que deseja, aparentemente com mais furor que as big sisters a banca internacional com atuação no Brasil.

É importante lembrar que os garimpeiros internacionais dependem do financiamento público brasileiro para montagem da necessária infraestrutura logística. Do contrário, colocarão mais dinheiro que o costume.

Ainda que o ritmo de investimentos possa ser mais lento como estratégia para aumentar a participação da Petrobrás (e da indústria brasileira) sobre a exploração das reservas no pré-sal, faltam recursos no caixa da empresa. Contribui para isso aumentos reais de renda dos trabalhadores brasileiros nos últimos anos (custo em Reais) e limitações macroeconômicas para autorização do aumento de preços de combustiveis.

Considerando-se que o gradualismo é o mantra dos analistas financeiros, difícil acreditar que não tenham percebido que o aumento autorizado pode ser sucedido de novos aumentos no futuro próximo, dependendo-se do comportamento de preços do agregado energético (incluindo-se eletricidade).

A hipótese que se pretende levantar para a dormência das ações da Petrobrás na Bolsa de Valores parece esclarecer o mistério de maneira muito mais simples. Que tal se os bancos que organizam e influenciam o mercado de capitais, incluindo-se bolsas de valores, estejam jogando xadrez, cientes de seu poder relativo ?

Explica-se melhor. Como sócio majoritário e controlador da Petrobrás (foi quem a criou e tanto defendeu !), o Estado brasileiro possui alternativas ao aumento de preços para compor o caixa da Petrobrás. Pode-se, também, fazer uma chamada de capital para, por exemplo, liquidar dívidas. Neste caso, o “mercado” teria direito de preferência para manter a composição no capital da petroleira. Caso haja interesse, claro.

Ao manter os preços das ações da Petrobrás deprimidos em bolsas de valores, os market makers diminuem o “custo” que terão que incorrer, sob as circunstâncias atuais, para acompanhar uma possível chamada de capital.

Voir en ligne : Dogmas e enigmas

Répondre à cet article