Página inicial > BRASIL > Comunicação > I Confecom - Conferência Nacional de Comunicação > O presidenciável Serra boicota Confecom

O presidenciável Serra boicota Confecom

domingo 20 de setembro de 2009, por Terezinha Vicente ,

Pelo Ato nº 24, publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo deste dia 19 de setembro, a Mesa da Assembléia Legislativa convoca a Conferência Estadual para o período de 30 de Outubro a 1º de Novembro. A coordenação do evento ficará a cargo da Comissão Paulista Pró Conferência de Comunicação e da Comissão de Transportes e Comunicações da Alesp.

A Comissão Paulista, composta por mais de 60 organizações e entidades interessadas na Confecom, reivindicou das lideranças parlamentares do PSOL e do PT a convocação da etapa estadual, assim que o prazo para a convocação pelo Executivo expirou (15/09). Ao mesmo tempo, a Comissão de Transportes e Comunicações, presidida pelo deputado do DEM, Edmir Chedid, recebia uma solicitação do secretário de Comunicação do Governo do Estado para assumir a convocação.

O Governo Serra, depois de acenar como certa a convocação da etapa estadual para a Comissão Paulista, em reuniões com o Secretário de Comunicação, Bruno Caetano e com a Secretária Adjunta de Comunicação, Cristiane Ortiz, resolveu recuar e repassou para seus deputados a tarefa.

É a primeira conferência nacional, de tantas promovidas nos dois governos Lula, para a qual o governo demo-tucano recusa-se a convocar a etapa estadual. A principal cidade do país corre o risco de ficar também sem etapa municipal, já que os secretários municipais colocaram claramente a disposição de seguir a orientação do governador.

Qual será o medo do governador Serra com a conferência de comunicação?

O presidenciável tucano comprova uma vez mais o seu menosprezo à sociedade civil organizada, aos movimentos sociais, sua aversão a princípios básicos da democracia e, sobretudo, sua cumplicidade com os “coronéis” da mídia brasileira. Serra não quer se indispor de modo algum com os donos dos grandes meios de comunicação, pois são seus aliados prioritários na garantia de boa imagem e de sua campanha política.

O governador paulista não pode perder a garantia de continuar a ter o apoio da grande imprensa para tornar-se o próximo presidente da República. Apoio que tem custado aos cofres públicos do estado mais populoso do país milhões e milhões de reais. José Serra dobrou o orçamento para publicidade em 2009, ano que antecede a eleição presidencial. O governo tucano terá R$ 313 milhões de verba publicitária, contra R$ 166 milhões que destinou a essa área no orçamento de 2008.

Negócios milionários do governo de São Paulo com a Editora Abril, que publica a revista Veja - ícone do reacionarismo tupiniquim - , não param de ser denunciados. Representação do deputado federal Ivan Valente (PSOL), acolhida pelo MP, quer apurar contrato firmado com aquela editora, no valor de 3,7 milhões de reais, para a aquisição de 220 mil assinaturas da revista Nova Escola pelo governo paulista. Outra publicação da Abril, o “Guia do Estudante”, foi incluído como item obrigatório na proposta curricular que o governador apresentou para o ensino médio!!!

Também a bancada petista de deputados vem questionando campanhas publicitárias da administração direta e indireta do governo paulista, como as do Metrô e da CPTM, em várias revistas e jornais de circulação nacional. O procurador de Justiça, Luis Fernando Rodrigues Pinto Júnior, pediu a abertura de inquérito em agosto, para apurar o uso de dinheiro do contribuinte paulista para fazer propaganda em outros estados.

POPULAÇÃO E MILITÂNCIA PAULISTA SUB REPRESENTADAS

Não bastasse o capital estar super representado na composição desta conferência, por regras impostas pelos empresários ao Governo e a uma parte da Comissão Organizadora Nacional, o setor reacionário da organização ainda conseguiu subtrair em um terço a representação a que a população de São Paulo teria direito. Nota de repúdio foi publicada pela Comissão Paulista, que solicita ter sua representação ampliada com acréscimo da quantidade de delegados que “sobrarem” em estados que não conseguirem realizar a conferência, ou que não obtiverem seu quorum completo.

Ora, São Paulo tem a maior população do país, aqui se concentra boa parte da produção e consumo de cultura e comunicação e também boa parte das organizações que lutam por sua democratização. Os grandes conglomerados da mídia, com exceção da Rede Globo, tem sede em São Paulo: Folha/UOL, O Estado de São Paulo, Grupo Abril, Grupo Bandeirantes, Rede Record, SBT. É uma grande falta de compromisso com a História, por parte do Governador Serra, não promover um grande debate sobre a comunicação neste estado.

Será que o Governador Serra age em parceria com os oligopólios da mídia?