Página inicial > FSM/WSF 2015 - TUNIS > “Políticas educativas antiliberais são necessárias”, diz membro do Conselho (...)

“Políticas educativas antiliberais são necessárias”, diz membro do Conselho Internacional do FME

sábado 25 de janeiro de 2014, por Tulio Bucchioni, Vania Correia,

Durante o Fórum Mundial de Educação (FME), a Agência Jovem de Notícias se reuniu com o espanhol Albert Sansano, da secretaria executiva do Conselho Internacional do FME.

Durante o Fórum Mundial de Educação (FME), a Agência Jovem de Notícias se reuniu com o espanhol Albert Sansano, da secretaria executiva do Conselho Internacional do FME. Em uma breve conversa, discutimos o histórico e o futuro do FME, a baixa presença da juventude no fórum em 2014 e a educação em outro mundo possível. Confira os principais momentos dessa conversa.

Histórico e futuro do FME

“Dois caminhos se iniciaram. Houve a necessidade de se construir o Fórum Mundial de Educação (FME) como um espaço majoritário, pois o mundo da educação exigia um espaço para se fazer um debate mais aprofundado sobre o tema; tínhamos então uma agenda separada do Fórum Social Mundial. Decidimos depois continuar com o espaço, mas fazendo coincidir as agendas. Foi então que decidimos fazer o Fórum Mundial de Educação intercalando-o com o Fórum Social Mundial.”

“Fomos aperfeiçoando o FME. O Fórum Social Mundial não se pronuncia, não há um documento final do FSM, uma declaração própria, com autonomia dos movimentos. O FME opta por finalizar os debates sempre com uma carta ou documento amplo, de forma que seja possível trabalhar com governos locais, estados ou países. A programação da tarde, com os grupos de trabalho (GT), é especialmente para isso: discutir e aprofundar debates, fazer sínteses.”

“No futuro os fóruns serão necessários, na Europa, frente às políticas neoliberais, os fóruns são necessários; na África, são necessários; no Brasil, o fantasma do neoliberalismo ainda está em cima. Ou seja, políticas educativas antiliberais são necessárias.”

Presença da juventude

“A presença de jovens no FME é um tema que foi discutido no outro fórum. Tentamos melhorar essa presença, mas não conseguimos. O que devemos fazer para que os novos movimentos sociais da juventude se integrem? Tanto o FMS como o FME enfrentam o mesmo problema. Falamos com a UNE (União Nacional dos Estudantes), falamos com a juventude do PT (Partido dos Trabalhadores) e do PC do B (Partido Comunista do Brasil), mas conseguir vinculá-los a uma reunião do comitê organizativo do Fórum era impossível. Dizem que vão, mas não aparecem e não nos falam por que não vêm. Precisamos aprofundar o debate com a juventude e integrá-los melhor, mesmo que isso signifique mudar formatos organizativos. Queremos a juventude aqui.”

Educação no outro mundo possível

“Primeiramente, a escola precisa ser profundamente democrática. O controle da escola tem que ser das famílias, dos alunos, dos professores, com eleições democráticas com participação de todos. Os professores trabalham a serviço das famílias e dos alunos. É preciso avançar também no projeto democrático: a escola tem que ser pública, gratuita e laica. Os materiais educativos precisam responder às demandas em que estão inseridas as escolas e instituições de ensino. O currículo [escolar] não pode ser desenhado pelo Ministério da Educação e enviado para as escolas; tem que ser feito pela base. Existe a metáfora do helicóptero: um currículo escolar é igual a um helicóptero. Quando o helicóptero está voando, não sabe exatamente o que se passa na sociedade. O currículo feito pelo Ministério é a mesma coisa.”

Fonte: http://www.agenciajovem.org/wp/?p=18701.