Ciranda internacional da comunicação compartilhada

agrega noticias de parceiros parcerias da ciranda
Condamnation du Makhzen et soutien à la lutte du peuple sahraoui

Marocains furieux ont attaqué le modérateur de l’assemblée des mouvements sociaux du FSM qui lisait le texte, M. Moumni Rahmani, un Marocain lui-même, le menaçant et le maltraitant en public et le qualifiant de traître.

Communiqué Sortir du Colonialisme

" Alors que la France a entrepris une guerre au Mali au nom de la lutte contre l’occupation d’une partie de ce territoire par les forces djihadistes, elle ne dit et ne fait rien face au Maroc qui occupe illégalement le territoire d’un autre peuple."

Réfugiés subsahariens du camp de Choucha dans une grève de la faim

Quarante-et-un réfugiés subsahariens du camp de Choucha frappent aux portes du très influent Forum Social Mondial pour réclamer la dignité humaine. L’absence de reconnaissance et de solutions concrètes à Tunis les incite à entamer collectivement une grève de la faim le 29 mars 2013 devant le Haut commissariat aux réfugiés (HCR) de Tunis, mettant leur santé - déjà précaire - en danger.

Le "printemps arabe" invite le mouvement altermondialiste

Las mujeres darán el puntapié “oficial” anticipando con su asamblea mundial la apertura de la 12da edición del Foro Social Mundial (FSM) este 26 de marzo

Accueil > FSM > FSM 2012/2013 fr > #Reflexão : Ir além do morde e assopra nas políticas socioambientais

#Reflexão : Ir além do morde e assopra nas políticas socioambientais

jeudi 10 janvier 2013, par Sucena Shkrada Resk

A implementação de políticas socioambientais no contexto federativo ao municipal é lenta e essa é a realidade. Não adianta colocarmos "panos quentes", pois é isso que vivenciamos. Ao usar uma figura de linguagem, fica em muitas questões, no ritmo do "morde e assopra".

Se formos avaliar o arcabouço legal extenso, que é composto por Lei de Crimes Ambientais, de Fauna, pelas Políticas Nacionais de Meio Ambiente, de Educação Ambiental, de Saneamento, de Recursos Hídricos, de Mudança do Clima, de Resíduos Sólidos, o Plano de Consumo Sustentável, pelo Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), pelo Plano Nacional de Biodiversidade, o atual Código Florestal...além das legislações nos âmbitos estaduais e municipais...O que observamos ? Muitas metas, diretrizes, no dia a dia não se consolidam.

A palavra planejamento carece de uma releitura. Basta analisarmos como está a implementação do Estatuto das Cidades. Quantos municípios têm seus planos diretores e quantos deles realmente têm a participação da sociedade ?

Ler com atenção os resultados e as entrelinhas do Censo 2010 (tendo em vista que é um recorte), da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), da qualidade da educação... em conjunto com a nossa leitura de vida no cotidiano é uma boa maneira para nos colocarmos nesse quebra-cabeças.

Por que será que, muitas vezes, as legislações são consideradas inócuas ? Num elenco de possibilidades, devido a questões básicas de gestão pautadas em concessões e brechas devido às "eternas" barganhas partidárias e à dependência de grandes corporações, que alimentam as campanhas políticas, como também à falta de regulamentação de muitas leis e à falta de "diálogo" com outros setores governamentais, como de agronegócios, transporte, energia, industrial.

Parece uma briga de titãs - em que o desenvolvimentismo tem mais peso e o conceito de interesse público fica fragilizado.

Com isso, o reflexo dessa dinâmica revela uma grande parcela da sociedade apática, porque nos bancos das escolas não interessa a essa cultura de poder que os cidadãos, desde a infância, se tornem - de fato e de direito - sujeitos políticos, com a carga de amadurecimento necessária.

Como fazer diferente ? Não há outro caminho senão mudar esse mecanismo viciado, mas para isso, é preciso que cada um de nós se sinta um ente participativo e não, mero espectador.

Aí entra a rede de associações, em que as atitudes cotidianas são os princípios. Entender que a redução do consumo é desenvolvimento ; que o equilíbrio do ecossistema e a diversidade de aproveitamento do solo significam produtividade, no seu sentido legítimo ; que a conservação representa um valor agregado que incorpora todas as políticas socioambientais e a qualidade de vida a médio e longo prazos. E que economia - seja o nome que receba - verde, sustentável, inclusiva... - só existirá, quando tiver na sua raiz o capital humano e de conservação da vida (que engloba fauna e flora)...Nada é mais significativo que ver a crise global que vivemos. As lições transpõem os muros das escolas e nos chegam por todos os lados...

Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk - www.twitter.com/SucenaSResk

Voir en ligne : Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk

Répondre à cet article