Ciranda internacional da comunicação compartilhada

agrega noticias de parceiros parcerias da ciranda
Condamnation du Makhzen et soutien à la lutte du peuple sahraoui

Marocains furieux ont attaqué le modérateur de l’assemblée des mouvements sociaux du FSM qui lisait le texte, M. Moumni Rahmani, un Marocain lui-même, le menaçant et le maltraitant en public et le qualifiant de traître.

Communiqué Sortir du Colonialisme

" Alors que la France a entrepris une guerre au Mali au nom de la lutte contre l’occupation d’une partie de ce territoire par les forces djihadistes, elle ne dit et ne fait rien face au Maroc qui occupe illégalement le territoire d’un autre peuple."

Réfugiés subsahariens du camp de Choucha dans une grève de la faim

Quarante-et-un réfugiés subsahariens du camp de Choucha frappent aux portes du très influent Forum Social Mondial pour réclamer la dignité humaine. L’absence de reconnaissance et de solutions concrètes à Tunis les incite à entamer collectivement une grève de la faim le 29 mars 2013 devant le Haut commissariat aux réfugiés (HCR) de Tunis, mettant leur santé - déjà précaire - en danger.

Le "printemps arabe" invite le mouvement altermondialiste

Las mujeres darán el puntapié “oficial” anticipando con su asamblea mundial la apertura de la 12da edición del Foro Social Mundial (FSM) este 26 de marzo

Accueil > FSM > FSM 2012/2013 fr > Relatos do FSM

Relatos do FSM

mardi 2 avril 2013, par Nelsinho Pombo

Diversos assuntos passam por esta grande discussão, como a questão dos saarauis, controlados pelo Marrocos, a questão da Palestina e dos curdos, que tiveram um de seus líderes, Yilmaz Orkan, preso a caminho do FSM

Estamos do outro lado do mundo, clima Mediterrâneo, comida muito apimentada, muita alegria, de um povo muito amável, que quando não te entende, faz o possível pra isto, e se faz entender. Fala-se árabe, e o francês é a segunda língua, mas comunica-se em inglês (quase todo tunesino), italiano e até português. Nos sentimos quase em casa. Uma verdadeira babel.

Diversos assuntos passam por esta grande discussão, como a questão dos Saarauis, que vivem no Sahara Ocidental, ainda sob o domínio do governo do Marrocos, a questão da Palestina e dos curdos, que tiveram um de seus líderes, Yilmaz Orkan, que tive o prazer de conhecer no Rio, durante a cúpula dos povos, detido na Bélgica, por sua luta por autodeterminação de seu povo. O berço da primavera árabe tornou-se mais uma vez palco para um mundo melhor.

O Fórum acabou, e no primeiro dia de Abril, representantes de vários cantos do planeta se reuniram na busca de um novo mundo possível, no imponente Hotel Majestic, onde fizeram a reunião do Conselho Internacional. Discutiram o rumo do FSM e os midialivristas se sentiram represntados pela Ciranda, com Rita Freire, que participa do Conselho Internacional do Fórum Social Mundial. E estávamos lá, cobrindo esta grande atividade.

Contradições diversas cercam o Fórum, que absorveu as lutas de povos distintos, e abrigou o III Fórum Mundial de Mídia Livre, o Fórum Mundial de Artes Plásticas, por Fórum de Ciência e Democracia e manifestações de diversas áreas.


A luta por um mundo melhor e possível não para e o debate do Fórum Social Mundial tambem não. O futuro ainda incerto passa por um fórum de educação na Palestina, um grande desafio, e São Paulo, Bangladesh, Santa Maria no Rio Grande do Sul e até a Áustria estão no páreo. Nos resta esperar e fortalecer a luta, em casa, nas ruas das cidades e em todos os espaços de discussão.

Répondre à cet article