Ciranda internacional da comunicação compartilhada

agrega noticias de parceiros parcerias da ciranda
Megaeventos geram violação de direitos de crianças e adolescentes

Para pensar ações de combate a essas violações de direitos de crianças e adolescentes durante a Copa do Mundo de 2014 foi criado o Comitê de Proteção Integral da Criança e do Adolescente para os Megaeventos Esportivos.

Recurso do Ministério Público Federal não impede a continuação das obras de Belo Monte

O Tribunal Regional Federal (TRF) da primeira Região autorizou o retorno das atividades do Consórcio Construtor Belo Monte na última sexta-feira (20).

Novos estádios da copa refletem mercantilização do futebol

A remodelação dos estádios que vão receber a Copa do Mundo de 2014 traz um novo paradigma para as tradicionais formas de torcer.

Pesquisas revelam dados alarmantes sobre os gastos para a copa de 2014

Dos 20 estádios mais caros do planeta, metade se encontra no Brasil. A constatação é de que nunca se gastou tanto em estádios como no Brasil nesses últimos anos.

Agenda

Pará - Roda de conversa - Mulher Negra na Amazônia: Que dasafio é esse?

Prevenção de violência sexual contra crianças e adolescentes estará em pauta na capacitação do radiotube.org.br em Florianópolis. - Oficinas gratuitas de rádio, vídeo e internet com foco em cidadania na Região Sul

Amazônia - Fórum Social Pan-Amazônico

Vídeos

Cuidado: Israel quer ocupar a sua timeline

Rádio

Galerias de Fotos

Cada um(a) fazendo a sua parte



Artes

Página inicial > FSM > FSM 2012/2013 > Doenças raras e negligenciadas: o direito à informação

Doenças raras e negligenciadas: o direito à informação

terça-feira 11 de dezembro de 2012, por Sucena Shkrada Resk

O direito ao acesso à informação passa por todas as áreas e em especial na de saúde. Na semana passada, tive conhecimento da existência da FEBER – Associação Brasileira de Enfermidades Raras (http://feber-brasil.comunidades.net), que é focada em divulgação sobre esse tema. O site ainda está sendo formatado e deverá ter mais conteúdo a respeito. Isso me chamou a atenção em um país em que ainda falta essa pluralidade de orientações, e por outro lado, apresenta incidência de casos das chamadas doenças negligenciadas.

Imaginei o quanto milhares de pessoas sofrem e até morrem por não saber o tipo de patologia que têm ou que o próprio sistema de saúde e médico não tem uma retaguarda ou conhecimento suficiente. Pior: adoecem por questões de saneamento ambiental.

Segundo a equipe muldisciplinar de profissionais, que forma a FEBER, são conhecidas cerca de sete mil doenças raras e regularmente são descritas novas doenças na literatura médica, e que 50% delas geralmente se manifestam na fase adulta. Uma característica peculiar é que, na maioria das vezes, são crônicas e potencialmente fatais, devido principalmente à falta de diagnósticos e tratamento.

Como exemplo, nessa extensa lista, está a Doença de Pompe, que é neuromuscular e atinge de crianças a adultos. Ela se manifesta de diferentes formas, com fraqueza em pernas e braços e dificuldade na respiração de forma progressiva, entre outros sintomas.

Mais uma iniciativa de apoio aos pacientes, no caso do Estado de São Paulo, é o Fórum de Portadores de Patologias do Estado de São Paulo, que também tem espaço para essa pauta.

Moral da história: é preciso difundir mais informações que ajudem a melhorar a qualidade de vida dos portadores dessas doenças raras, como também das negligenciadas pelo sistema. Nesse caso, segundo o Instituto Nacional de Tecnologia de Inovações em Doenças Negligenciadas (INCT/IDN), são aquelas que não só prevalecem em condições de pobreza, mas também contribuem para a manutenção do quadro de desigualdade. O termo teria sido mencionado na década de 70, pelo programa da Fundação Rockefeller “The Great Neglected Diseases”. De forma sistemática, é difundido desde 2001, pelos Médicos Sem Fronteiras (MSF) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Não é a raridade que as caracterizam, mas a prevalência e sua relação com condições de saneamento básico e situação sanitária. Entre elas, estão a Dengue, a Doença de Chagas, Leishmaniose, Malária, Tuberculose, Hanseníase.

Temos assim duas situações no âmbito da saúde coletiva que merecem mais aprofundamento e atenção, para que o número de cidadãos vitimados diminua e exista retaguarda de prevenção a tratamento e de educação socioambiental e sanitária cada vez mais ampla.

Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk - www.twitter.com/SucenaSResk

Ver online : Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk

Responder a esta matéria