Ciranda internacional da comunicação compartilhada

agrega noticias de parceiros parcerias da ciranda
Megaeventos geram violação de direitos de crianças e adolescentes

Para pensar ações de combate a essas violações de direitos de crianças e adolescentes durante a Copa do Mundo de 2014 foi criado o Comitê de Proteção Integral da Criança e do Adolescente para os Megaeventos Esportivos.

Recurso do Ministério Público Federal não impede a continuação das obras de Belo Monte

O Tribunal Regional Federal (TRF) da primeira Região autorizou o retorno das atividades do Consórcio Construtor Belo Monte na última sexta-feira (20).

Novos estádios da copa refletem mercantilização do futebol

A remodelação dos estádios que vão receber a Copa do Mundo de 2014 traz um novo paradigma para as tradicionais formas de torcer.

Pesquisas revelam dados alarmantes sobre os gastos para a copa de 2014

Dos 20 estádios mais caros do planeta, metade se encontra no Brasil. A constatação é de que nunca se gastou tanto em estádios como no Brasil nesses últimos anos.

Agenda

Prevenção de violência sexual contra crianças e adolescentes estará em pauta na capacitação do radiotube.org.br em Florianópolis. - Oficinas gratuitas de rádio, vídeo e internet com foco em cidadania na Região Sul

Amazônia - Fórum Social Pan-Amazônico

Pará - Seminário: Diretrizes da Educação Escolar Quilombola

Vídeos

Cuidado: Israel quer ocupar a sua timeline

Rádio

Galerias de Fotos

Cada um(a) fazendo a sua parte



Artes

Página inicial > FSM > FSM 2012/2013 > Tunisia 2013 > Midias livres no mundo e nas Preliminares

Midias livres no mundo e nas Preliminares

segunda-feira 17 de dezembro de 2012, por Terezinha Vicente

O FMML foi tema de Preliminares em São Paulo. Articulação global quer crescer rumo ao FSM na Tunísia.

O Forum de Mídia Livre (FML) surge no Brasil em 2008, na crescente luta pelo direito à comunicação em nosso país, a mesma em todo o sul do planeta. Logo a luta nacional liga-se com a internacional e já realizamos dois Fóruns Mundias de Mídias Livres, como introduziu Bia Barbosa, jornalista do Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação. No Preliminares, um evento de oito dias organizado recentemente por coletivos para ocupar a cidade com debates, palestras, oficinas, transmissões e festas, num dia dedicado ao midialivrismo, o Forum de Mídia Livre foi o assunto debatido também por Rita Freire, editora da Ciranda Internacional de Comunicação e por Driade Aguiar, da Casa Fora do Eixo de São Paulo, que também realiza práticas de comunicação colaborativa.

As três estiveram nas últimas etapas do FMML ocorridas este ano. Em Porto Alegre, no início de 2012, acontecia o 3º Forum de Mídia Livre e em junho, no Rio de Janeiro, o 2º Fórum Mundial de Mídia Livre. A história foi lembrada para uma crescente roda, formada por jovens em maioria. O FML já nasceu sob a polêmica do que é “mídia livre”, relatou Rita. “Temos disputado esse conceito, assim como o de liberdade de expressão. O que é mídia livre? É o site, o jornal do movimento, a rádio comunitária, mas também o ativista, as redes de comunicação...”. Associado à luta por uma outra comunicação neste país, segue a fundadora da Ciranda, conquistamos algumas políticas públicas inclusive, como os Pontos de Mídia Livre.

Para Bia Barbosa, temos dois grandes desafios do ponto de vista da comunicação como um direito. Um, a circulação da nossa produção de comunicação; e dois, juntar a velha e a nova mídia livre. Precisamos reivindicar do Estado leis que democratizem os meios de comunicação e juntar o jornal do poste, a rádio comunitária, o boletim, com as novas tecnologias e a nova comunicação. “Vamos acabar com essa falsa dicotomia nas redes e nas ruas”. Dríade Aguiar, do FdE, lembrou da busca por essa convergência no último FML. “Do ponto de vista da comunicação como ferramenta dos movimentos”, falou Dríade, as rádios comunitárias e as rádios on-line devem trocar experiência, no Fórum de Porto Alegre essa troca já começou”.

Prioridade ao Direito à comunicação

Somos poucos a fazer esse debate no Brasil hoje, como bem disse Bia. “A agenda de comunicação cresce, ganha espaço no âmbito de políticas públicas, mas ainda não é uma prioridade no campo da esquerda, os movimentos só veem a comunicação como ferramenta, como torná-la um direito a ser alcançado?” Ela lembrou da recente série de crimes na periferia e da maneira como a televisão mostrou os fatos. As Secretarias de Comunicação dos governos ainda são meras assessorias de imprensa e distribuidoras da verba pública, criticou a jornalista do Intervozes, não pensam em política de comunicação. “Metade de uma ação política hoje é midiática”, falou Dríade, reforçando a necessidade da prioridade à comunicação pelos movimentos.

“Comunicação não é prestação de serviços”, acentuou Rita Freire. “Esta agenda precisa ser assumida também por quem não é da comunicação, e deve ser integrada com a cultura”. Para a editora da Ciranda e “membra” do Conselho Internacional do FSM, os movimentos devem pensar mais seriamente sobre o papel da comunicação na transformação social. Falando na sustentabilidade das nossas mídias e das outras, as corporativas, Rita questionou “por que e por quem essa mídia é financiada?”

Bia lembrou do marco civil da internet parado lá no Congresso, sofrendo a ação dos lobbys do direito autoral, da industria da comunicação, lembrou do SOPA e PIPA no início do ano, da censura estatal ainda existente em países com regimes totalitários. “A internet é ferramenta libertária que os controladores da palavra querem controlar”. Para a defesa da web livre e do direito à comunicação, foram construídos no FMML os “10 pontos para garantir a liberdade de mídia global”, como neutralidade de rede e fim dos monopólios de radiodifusão. “País que tem monopólio nas comunicações não tem mídia livre!”.

As organizadoras do FMML contaram do seminário realizado em Dacar, no último FSM, em 2011. Falaram dos países que lutam para ter rádios e televisões comunitárias, como os africanos, e contaram do seu engajamento na luta por mídias livres. Ativistas do Marrocos, Norte da África, Palestina, entre outros, engajaram-se no processo FML. Já circulam ideias de encontros e oficinas para ocorrerem durante o próximo FSM, que acontecerá na Tunísia, entre 26 e 30 de março próximos. Com certeza, lá haverá nova etapa do processo FMML, embora ainda não saibamos se seminário, debate, ou novo Fórum, a mobilização está começando.

Responder a esta matéria