Ciranda internacional da comunicação compartilhada

agrega noticias de parceiros parcerias da ciranda
Megaeventos geram violação de direitos de crianças e adolescentes

Para pensar ações de combate a essas violações de direitos de crianças e adolescentes durante a Copa do Mundo de 2014 foi criado o Comitê de Proteção Integral da Criança e do Adolescente para os Megaeventos Esportivos.

Recurso do Ministério Público Federal não impede a continuação das obras de Belo Monte

O Tribunal Regional Federal (TRF) da primeira Região autorizou o retorno das atividades do Consórcio Construtor Belo Monte na última sexta-feira (20).

Novos estádios da copa refletem mercantilização do futebol

A remodelação dos estádios que vão receber a Copa do Mundo de 2014 traz um novo paradigma para as tradicionais formas de torcer.

Pesquisas revelam dados alarmantes sobre os gastos para a copa de 2014

Dos 20 estádios mais caros do planeta, metade se encontra no Brasil. A constatação é de que nunca se gastou tanto em estádios como no Brasil nesses últimos anos.

Agenda

Prevenção de violência sexual contra crianças e adolescentes estará em pauta na capacitação do radiotube.org.br em Florianópolis. - Oficinas gratuitas de rádio, vídeo e internet com foco em cidadania na Região Sul

Amazônia - Fórum Social Pan-Amazônico

Pará - Seminário: Diretrizes da Educação Escolar Quilombola

Vídeos

Cuidado: Israel quer ocupar a sua timeline

Rádio

Galerias de Fotos

Cada um(a) fazendo a sua parte



Artes

Página inicial > FSM > FSM 2012/2013 > A voz das Mulheres de Pedra no dia 25 de Julho - Dia Internacional da (...)

A voz das Mulheres de Pedra no dia 25 de Julho - Dia Internacional da Mulher Negra Latinoamericana e Afro-caribenha

Resistência feminina solidária em Pedra de Guaratiba

segunda-feira 29 de julho de 2013, por Simone Ricco

25 de julho, Dia Internacional da Mulher Negra Latino-America. Data para visibilidade de lutas travadas por mulheres negras e destaque aos protagonismos de mulheres afro-descendentes em diferentes locais e épocas.

O dia 25 de julho passou a ser o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-America e Caribenha em 1992, no I Encontro de Mulheres Negras da América Latina e do Caribe. Desde então, várias iniciativas buscam fazer da data um dia de ações em prol da memória das lutas travadas por mulheres negras e dia de destacar protagonismos femininos afro-descendentes em diferentes áreas.

Em 2013, a data é o mote para a Ciranda Afro destacar o trabalho realizado pelo coletivo Mulheres de Pedra, no bairro de Pedra de Guaratiba, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Na casa próxima ao Pier do Coqueirinho, e longe da Zona Sul, coração da cidade maravilhosa, o grupo desenvolve atividades artísticas, gastronômicas e culturais, realizadas com base na economia solidária e criativa.

Fruto de uma ideia da falecida artista plástica Dora Romana, a criação do grupo é uma iniciativa cultural popular comprometida com a economia solidária e com ações sócio-ambientais necessárias para lidar com as transformações na antiga aldeia de pescadores, atualmente marcada pelos efeitos das constantes agressões à Baia de Sepetiba.

(*fotos cedidas por Mulheres de Pedra)

Moradora do bairro, a pedagoga e artista popular Leila Souza Netto dirige o projeto, ao lado de Lívia Souza Vidal, Monique Rocco e demais colaboradoras envolvidas em ações que procuram oferecer oportunidades de trabalho, formação e lazer para os 9.693 habitantes de uma região carente de empregos, instituições de ensino públicas e espaços culturais.
Sensíveis a esta realidade local, as dinamizadoras do Mulheres de Pedra revestem de arte o espaço físico do casario. A decoração reflete as matrizes africanas afirmadas pela praticante de dança afro Leila Souza Netto, ressaltadas nos quadros do pintor Vidal e nos painéis, alguns deles, como o das Orixás, uma mostra do trabalho com retalhos - transformado em referência do fazer artístico das Muheres de Pedra.


Como explicam as dinamizadoras do projeto: “a ‘Colcha de Retalhos’, ou painel artístico, tornou-se a obra que identifica por excelência as travessuras deste grupo com estilo próprio. Cada mulher um pedaço, ou um ‘retalho’, cada pedaço uma técnica, uma expressão, um sentimento, uma informação. Sentimentos alinhavados cuidadosamente ao redor de uma brincadeira muito séria, e também aos sorrisos e lágrimas derramadas, além de reflexões e aprendizados, uma poesia ocupa cada pedaço da Colcha de retalhos, refletindo os anseios e alegrias das Mulheres de Pedra...

Para garantir a resistência deste projeto em ação há mais de uma década, as dinamizadoras contam com artistas plásticas, teatrólogas, professoras, cantoras, artesãs, donas de casa, costureiras, paisagistas e cozinheiras. Atuando em diferentes frentes, o grupo estreita cada vez mais o diálogo com a economia solidária, incentivando as colaboradoras a desenvolver atividades que gerem trabalho, renda, formação e lazer, destinados aos moradores da região e visitantes.

Pensando em colaborar com o desenvolvimento da economia solidária o Mulheres de Pedra procura estimular o ecoturismo, trazendo cariocas de outros bairros, brasileiros e visitantes de outras nacionalidades para circular pelo bairro da Zona Oeste, realizar trocas culturais e contato com produtos artísticos, roupas, peças artesanais e produtos gastronômicos expostos por produtores locais. Trabalhando com esse propósito, o Mulheres de Pedra transforma sua sede em espaço de hospedagem nos moldes do ecoturismo, viabilizando o exercício de atividades que empoderam mulheres afro-brasileiras.


Neste dia 25 de julho de 2013, o grupo e todos os moradores de Pedra de Guaratiba sofreram um duro golpe nas expectativas de ativar o turismo na região por conta Jornada Mundial da Juventude. A visita da maior autoridade da igreja católica foi cancelada e os trabalhadores locais que se mobilizaram para o evento foram penalizados. Além disso, Lívia Vidal ressalta que a criação do Campus Fidei provocou a devastação de uma área de proteção ambiental. O dano mencionado por Lívia é reforçado pelo Portal de Guaratiba, mídia eletrônica que denunciou o despejo de escória de alto forno na “urbanização” do terreno, alertando para o temível legado desse resíduo para a região. Outro dano proveniente do lamaçal formado no Campus é o reforço de uma imagem negativa colada ao bairro e que configura mais um obstáculo para tornar positiva a imagem do bairro periférico.

No Brasil, o dia 25 de julho é dedicado a rememorar Tereza de Benguela. A líder negra do passado é uma referência da mesma resistência protagonizada pelas integrantes do Mulheres de Pedra, reunidas nesse quilombo urbano contemporâneo, onde são pensadas e exercidas diferentes formas de luta por uma economia solidária, base do trabalho por um outro mundo possível.

Responder a esta matéria