Ciranda internacional da comunicação compartilhada

agrega noticias de parceiros parcerias da ciranda
Ebola: uma emergência mundial sem fronteiras

Aumento de casos na África gera um alerta mundial pela Organização Mundial de Saúde (OMS)

Rubem Alves e a Escola da Ponte: a desconstrução de paradigmas

Pedagogo e escritor (falecido neste ano) narrou em livro a experiência de conhecer, em 2000, um modelo de ensino em que o aluno é o protagonista de sua história e do currículo escolar, em Portugal

Resíduos sólidos: São Paulo aprovou seu plano municipal e agora...?

A sexta cidade mais populosa no mundo tem o desafio de implementar a coleta seletiva, a logística reversa e diminuir o excesso de lixo que chega aos aterros indevidamente; grande parte é compostável ou reciclável

Resíduos sólidos: Portugal acabou com seus lixões e optou pelo modelo consorciado

Representantes do setor no país vieram ao Brasil para falar sobre o processo desenvolvido por lá, no contexto das metas da União Europeia

Resíduos e reciclagem: catadores reivindicam mais espaço participativo

Aprovação, em 2010, da Política Nacional de Resíduos Sólidos não significa ainda mudança nas vidas desses milhares de trabalhadores

FSM por Gaza, por Palestina

Organizações do Conselho Internacional do Fórum Social Mundial se manifestam em apoio à campanha BDS e à convocação do Dia Global de Fúria por Gaza, em 9 de Agosto

Página inicial > FSM/WSF 2014/2015 > Fórum Mundial de Mídia Livre > Meios de comunicação precisam de regulamentação

Meios de comunicação precisam de regulamentação

domingo 18 de agosto de 2013, por Terezinha Vicente

Pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abramo – FPA comprova a importância da televisão aberta e do rádio, comprova o desconhecimento da população sobre a concessão aos grandes meios, mas diz que é preciso haver mais regras na comunicação.

A pesquisa realizada pela FPA, cujos dados principais já foram divulgados em matéria anterior nesta Ciranda (http://www.ciranda.net/article7195.html ) , foi apresentada na última sexta-feira, 16 de agosto, e contou com a análise de militantes e estudiosos da luta pela democratização da mídia no Brasil. Todos defenderam que a Fundação continue a aprofundar o tema com novas pesquisas, até porque esta foi feita antes das jornadas de junho, nas quais, como todos sabem, o monopólio da mídia foi muito questionado. Várias questões importantes para quem luta pela democratização da mídia foram comprovadas pela pesquisa e estão destacadas nas várias matérias que estão circulando a respeito.

Um ponto de vista feminista

As feministas com certeza estiveram entre as primeiras a reclamar da imagem da mulher que a mídia difunde, desde sempre submetida ao patriarcado e ao mercado. Em nosso país, já de algumas décadas, elas levam à justiça peças publicitárias, construções dramáticas, letras de música, todas contendo agressões à mulher, preconceitos e estigmas, reforçadores dos valores que submetem historicamente as mulheres. Entretanto, o controle social da mídia tem sido uma “questão difícil de tratar”, como disse Rita Freire, conselheira da EBC(Empresa Brasil de Comunicação) e coordenadora desta Ciranda. Ela destaca o fato da maioria dos entrevistados terem defendido mais regras no conteúdo (71%, como uma questão das mais importantes. Sempre defendidas por nós, feministas, como uma das regulamentações mais importantes a se conquistar.

Além de também destacar o grande número de entrevistados que desejam mais regras para a comunicação, Beá Tibiriçá, do Coletivo Digital, defendeu fortemente o compromisso da FPA em dar continuidade a esta pesquisa, pois acredita que as jornadas de junho podem ter modificado algumas percepções. Reconhecendo que “a mídia tradicional teve papel forte nas pautas das mobilizações recentes”, chama a atenção do grande papel que tem a internet hoje e que tiveram as redes sociais na convocação e repercussão das manifestações.

Pesquisa reforça o PLIP da comunicação

Para todos os representantes do FNDC (Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação), a pesquisa foi muito importante. “Éramos completamente carentes de informação e dados sobre a percepção dos meios de comunicação”, disse Renata Mielli, do Centro de Estudos Barão de Itararé. “A pesquisa ajuda no discurso de que regulamentação não é censura”. O representante do Intervozes, Pedro Eckman, chamou a atenção para a altíssima porcentagem dos que se informam pela televisão (93%) e pelo rádio (79%) e acrescentou na análise o importante dado de que 60% da população desconhece que esses veículos são concessões públicas. E que apesar disso, a maioria sabe que os meios de comunicação defendem os interesses dos donos, dos políticos, dos mais ricos. Miro Borges, também do Barão de Itararé, acredita que os dados levantados reforçam a campanha do PLIP – Projeto de Lei de Iniciativa Popular, proposto pelo FNDC e na fase de coleta de assinaturas. Todos concordaram com isso.

Para Laurindo Lalo Leal Filho, sociólogo, jornalista e professor de Jornalismo da ECA-USP, tanto a Academia como a luta por outra comunicação, viverão uma linha de corte “antes e depois dessa pesquisa”. Além de destacar o rádio e a tv, “com um consumo brutal e diário”, o professor comentou o paradoxo entre “a falta da percepção da concentração e do monopólio” com “a necessidade de que algo precisa ser feito”. Lalo acha que devemos trabalhar o dado de que as pessoas acham que as emissoras de televisão são dos “donos”; sua proposta é de que as emissoras deveriam veicular constantemente durante a programação, em baixo da tela: “Esta é uma concessão pública do governo brasileiro, que começou em ...... e termina em .....”. Defendeu também que os meios públicos devem ter obrigação de divulgar e debater a pesquisa, como ele fará nesta semana em seu programa VerTv.

Fundador da Agência Carta Maior e como representante das empresas da mídia alternativa (Altercom), Joaquim Palhares criticou fortemente o oligopólio. “Nestes últimos anos, a Rede Globo, o Estadão e a Folha especializaram-se em criminalizar a política, em transformar a política em algo ruim”. Dizendo-se chocado com o dado de que 94% da população assiste TV aberta – “as notícias que temos é de que a audiência do Jornal Nacional caiu muito” -, Palhares disse ter sentido falta, na pesquisa, da identificação das emissoras que estão sendo vistas. Daniel Castro, jornalista da FPA, constatou outra falta e falou da necessidade de discutir o papel da mídia pública na sociedade.

Violência não é natural

Do ponto de vista das mulheres, em minha opinião, também faltaram algumas coisas. As mulheres sabem o mal que a televisão faz para os seus filhos, do apelo ao consumo desenfreado e inacessível para a maioria até a propaganda de valores enganosos, a começar na alimentação. Entretanto, na pesquisa, apenas 38,5% disseram ser a programação negativa para a educação de crianças e adolescentes. Para 34,7% não ajuda nem prejudica e para 26,8% a televisão é positiva para a educação deles!!Será que essas pessoas sabem quais são os programas de maior audiência entre as crianças da base da pirâmide? Numa outra questão de múltipla escolha sobre o que não deveria ser exibido na Tv, o item sobre a infância está confuso – “ Programas infantis e publicidade para criança”. Eu não entendi, a começar das coisas juntas, programação e publicidade. Parece-me que é necessário mais debates no tema da programação para crianças e adolescentes, pois infelizmente elas assistem mais programação dirigida a adultos, além da publicidade dirigida a elas, coisa proibida por regulamentação de vários países e objeto de campanha por aqui.

Outro desafio vivido pelo movimento feminista é o de convencer o público de televisão, de rádio, teatro, música e etc. de que a violência contra a mulher não é natural. Nem na ficção, pois o campo do simbólico tem toda a importância na construção da subjetividade das pessoas, nos valores ideológicos que fundamentam o existir e o ser. E eu não acho que 36,4% de entrevistados na pesquisa opinando que a TV retrata as mulheres “sempre com respeito”, é um número desprezível. Mais de um terço das pessoas não perceberem o desrespeito permanente à imagem da mulher, juntando com 46,8% que acham que só às vezes a mulher é tratada com desrespeito, dá mais de 83% que acreditam que o modo como a mulher é mostrada é respeitoso, avaliação bem distante daquela feita pelo movimento feminista. Ainda que 61% sejam contra a exposição gratuita do corpo da mulher, acho pouco também.

Uma tímida maioria é favorável a que não sejam exibidos na TV, “conteúdos de violência ou humilhação” contra a população negra (54%), contra gays e lésbicas (54%) e contra mulheres (53%). Respectivamente 40%, 40% e 41% admitem tais conteúdos “com regras”, o que acho um número bem grande para quem considera normal esse tipo de conteúdo. Percebam que em relação às mulheres ainda deu um por cento a mais que as outras minorias. E não chega à metade (49,8%) dos telespectadores os que acham que não deveria ser permitido tipo de humor que ridiculariza as pessoas. Dados a se pensar mais e aprofundar em novas pesquisas, esse tal de controle social da mídia. Novas pesquisas sobre a mídia que certamente acontecerão, pois Joaquim Soriano, da Fundação Perseu Abramo ressaltou a importância de haver uma série.

Ver online : A Pesquisa por inteiro:

Responder a esta matéria