Le FSM, selon le MMF

escrito por Marcha Mundial das Mulheres

Todas as versões desta matéria: [English] [français]

Un rapport de la Mars Mondiale des Femmes

Le Forum Social Mondial a reuni au prés de 75 mil personnes à Dakar, Sénégal entre le 6 et le 11 février 2011. Des caravanes de tous les pays de l’Afrique d’Ouest ont été organisé, en réalisant des activités de sensibilisation sur le chemin. Nous, la Marche Mondiale des Femmes, ont participé de plusiers caravanes et surtout avec des grosses délégations du Mali et de la Mauritanie.

L’intense participation africaine et les révolutions en cours en Afrique du Nord ont crée un climat de force et énergie qui ont aidé les participants a surmonter les obstacles logistiques et organisatives du Forum.

En plus, cette enérgie crée par la rencontre des luttes populaires a été au centre de l’ Assemblée des Mouvements Sociaux qui a reuni prés de 3.000 personnes le 10 février. L’ Assemblée, organisé par nous, CADTM, Via Campesina, Grassroots Global Justice, entre autres mouvements, a invité tous les mouvements sociaux a continuer, renforcer ou commencer un travail commun autour de deux dates globales de mobilisation : le 20 mars comme jour international de solidarité avec le soulèvement des peuples arabes et africains, dont leurs conquêtes nationales renforcent les luttes de tous les peuples, et une journée d’action globale contre le capitalisme le 12 octobre, où, de toutes les manières possibles, nous exprimerons notre refus d’un système qui est en train de détruire tout sur son passage. Cliquez pour lire la déclaration de l’Assemblée en:

Anglais,
Espagnol or [Françaishttp://www.marchemondiale.org/alliances_mondialisation/asamblea-movimientos-sociales/declarations/dakar2011/fr]

L’Assemblé a invité aussi à la convergence des luttes autour de quatre axes : contre les transnacionales ; pour la justice climatique et la souveraineté alimentaire ; contre la violence envers les femmes ; contre la guerre, le colonialisme, l’occupation et la militarisation. Le défi c’est d’entretisser ces axes, ce qui nous fait rappeler notre défi permanent d’articuler nos quatres Champs d’action. L’hile conducteur a été tracé lors de l’activité auto-organisé par la MMF pendant le Forum, « Lutte feministe contre le militarisme, le capitalisme et le patriarcat: 3e Action Internationale », qui a reuni un peu prés 500 personnes le 8 février. Femmes de 22 pays ont racconté leurs activités et apprentissages pendant la Action Internationale et nous avons partagé des nouvelles des actions régionales et la Clôture à Bukavu en RDC. Cliquez ici pour plus d’informations sur l’activité, des photos et pour lire les textes avec les présentations faites par la MMF en Turquie et en République démocratique du Congo.

Le 9 février nous avons realisé un atelier de construction d’Alliances entre la MMF et les femmes de Via Campesina et les Amis de la Terre International autour de la souveraineté alimentaire, la violence faite aux femmes et la justice climatique. Cela a été un moment pour que les activistes et dirigéantes des trois mouvements puissent mieu se connaître ainsi que le stade de la discussion et comment la faire avancer.

Enfin, après un vaste processus de convergence entre les initiatives du comité genre et équité du Comité du Pilotage du FSM en Dakar et des mouvements et reseaux internationales, nous avons tenu l’Assemblée des femmes les 10 et 11 février 2011. Malgré les efforts déployés, il n’a pas été possible concluire le débat sur une déclaration commune car un secteur minoritaire, mais trés actif, à l’Assemblée, s’opposait à la mention au droit à l’autodétermination pour les femmes saharauies. Plusieurs organisations présentes à l’Assemblée ont décidé de diffuser ce contenu dans la forme d’une Lettre signée, sans avec ceci méconnaître que pour que cette Lettre existe plusieurs femmes et organisations ont contribué. Cliquez pour lire la lettre et plus renseignements sur la question:

Français,
Anglais,
Espagnol.

The WSF, according to the WMW

escrito por Marcha Mundial das Mulheres

Todas as versões desta matéria: [English] [français]

A report of the World March of Women

Around 75 thousand people came together in Dakar, Senegal, for the World Social Forum between the 6th and 11th February 2011. Caravans from across the West African region were organised, and awareness-raising activities were carried out on their journeys towards Dakar. We, World March of Women activists, took part in several different caravans, with our largest delegations from Mali and Mauritania.

The strong participation of African women and men and the revolutions underway in North Africa created an atmosphere of strength and energy that helped participants to overcome the Forum’s logistical and organisational problems.

Furthermore, it was this energy created by the uniting of grassroots struggles that was present at the centre of the Social Movements Assembly on the 10th February, in which approximately 3000 people participated. At the Assembly – which we organised along with CADTM, Via Campesina, Grassroots Global Justice and other movements – all social movements were invited to continue, strengthen or become part of collective struggles organised on two global mobilisation dates: the 20th March, an international day in which we will stand up in solidarity with African and Arab peoples, whose national victories strengthen the struggles of all peoples, and a global day of action against capitalism the 12th October, when we will express, in myriad ways, our rejection of a system that destroys everything in its path. Click to reed the declaration of the assembly in:

English,
Spanish or French -

The Assembly also called for the convergence of our struggles around four issues: against transnational corporations, for climate justice and food sovereignty, against violence against women and against war, colonialisation, occupations and militarisation. Our challenge is to intertwine these issues, reminding us of the permanent challenge we have to strengthen the links between our four Action Areas. These links were traced out during the WMW’s self-organised activity, “Feminist struggle against militarisation, capitalism and patriarchy: the 3rd International Action”, which brought together around 500 people on the 8th February.

Women from 22 countries shared news of the activities carried out, and lessons learnt, during the International Action, as well as the regional actions and Closing Event in Bukavu, DRC. Click here for further information on the activity, pictures and to read the texts with the presentations made by the WMW in Turkey and the Democratic Republic of Congo.

On the 9th February, we organised an alliance building workshop between the WMW and women from Via Campesina and Friends of the Earth International around the issues of food sovereignty, violence against women and climate justice. It was an important moment for activists and leaders from these three movements to get to know each other better and discuss how to advance in our discussions around these themes.

Finally, after a large process of convergence among the initiatives of the gender and equity committee of the WSF Senegalese Steering Committee in Dakar and the initiatives of international movements and networks, we held a Women’s Assembly in the 10th and 11th Februray 2011. Despite efforts, it was not possible to finish the debate around a common declaration because a minority sector, but a very active one, in the Assembly was against mentioning the right to self-determination of the Saharawi women.

Many organizations that participated in the Assembly had decided to spread out the content of the proposed declaration in the form of a signed letter, the “Letter on solidarity with women’s struggles around the world”. Still, we are aware that many other women and organizations have contributed to the content of this Letter. Click to read the Letter and further information on the issue:

English,
Spanish or French.

More information about the WSF 2011 will be sent in the next edition of the WMW international newsletter, which will be sent out until the end of March.

Dia de luta contra a violência à mulher

escrito por Marcha Mundial das Mulheres

Por ocasião do Dia Latinoamericano e Caribenho de Luta contra a Violência contra a Mulher, nós, do movimento feminista, vimos a publico para expressar a nossa indignação frente à persistência e crueldade da violência contra a mulher e a falta de empenho e compromisso dos governos e órgãos competentes para reverter esta situação.

A violência contra a mulher é a maior expressão das desigualdades vividas entre homens e mulheres na sociedade. A raiz desta violência está no sistema capitalista e patriarcal que impõem uma necessidade de controle, apropriação e exploração do corpo, vida e sexualidade das mulheres. Esta violência, ao mesmo tempo em que é produto da opressão patriarcal, também estrutura a subordinação das mulheres.

A violência marca o cotidiano de milhares de mulheres que têm suas integridades físicas e psicológicas violadas, a sexualidade controlada, receosas em espaços públicos, com sua liberdade de ir e vir cerceada, e suas vidas profissionais limitadas.

Hoje, outras formas de expressão do machismo e misoginia têm se intensificado na sociedade, como a mercantilização do corpo e vida das mulheres com a imposição de padrões estéticos e de beleza baseados na magreza e na eterna juventude. Essa imposição reforça o consumo exacerbado e fútil, ao mesmo tempo em que mina o amor próprio das mulheres. Há uma permanente desqualificação àquelas que estão fora dos padrões, fato que é usado como justificativa para violência. Cada vez mais o cotidiano de milhares de mulheres é marcado por uma série de humilhações e agressões. Entre os exemplos recentes que causaram indignação está o “rodeio das gordas”, promovido pelos alunos da UNESP, em que meninas que, na visão dos alunos, estavam fora dos padrões de peso, foram "montadas" como acontecem nos rodeios.

Estes episódios também chamam a atenção para a forma como a violência tem um forte componente da virilidade, que a identidade masculina cultua e valoriza desde a infância.

Esta violência se intensifica quando aliada ao racismo, que tem feito das jovens, principalmente negras, as maiores vítimas do trafico de mulheres e do aliciamento à prostituição, que alimenta o capital de grandes empresas e máfias pelo Brasil e mundo afora.

Os crimes de ódio e a banalização da violência têm sido uma triste marca do último período, com a morte de Eliza Samudio em Minas Gerais e de Mércia Nakashima, em Guarulhos. São exemplos que se ressaltam pelo nível da crueldade e banalização destas vidas, além do descaso, pois elas já haviam denunciado a situação.

A nossa sociedade persiste no modelo da divisão sexual do trabalho que imputa às mulheres a prioridade do trabalho doméstico e de cuidados. As mulheres estão sobrecarregadas, mas as tarefas de reprodução da vida não são valorizadas, nem reconhecidas como parte da economia. Ao mesmo tempo em que, por esta mesma razão, as mulheres se transformam em mão de obra barata no mercado de trabalho. Muitas, pelas responsabilidades que têm na casa e família, são obrigadas a abrir mão do emprego, ficando sem autonomia econômica, o que as torna mais vulneráveis frente à violência.

Já faz quatro décadas que o movimento feminista brasileiro vem lutando para que a violência sexista seja compreendida como um problema político e social, fundado nas relações de poder entre homens e mulheres. Mas que, por se dar, na maioria das vezes nas relações familiares e afetivas, a sociedade tenta naturalizar ou tratar como algo privado e sem relevância social. Neste sentido, a criação da lei Maria da Penha contribuiu para desnaturalizar e tipificar a violência contra a mulher como um crime. O grande desafio após quatro anos da lei é implementá-la na pratica em todas as suas dimensões. Os obstáculos estão fundados na omissão de muitos governos estaduais e municipais, que se soma ao machismo impregnado no sistema judiciário e órgãos afins, para que a lei Maria da Penha se transforme em letra morta.

Sabemos que, para superar de fato a violência contra a mulher, são necessárias políticas estruturais que alterem o status da mulher na sociedade, e políticas publicas de apoio e prevenção à violência. Mas não abrimos mão de que também haja punição, pois a impunidade dos agressores é que lhes dá a certeza de continuar praticando a violência. Recai sobre a mulher todo o estigma da violência enquanto o agressor é poupado e preservado em sua cidadania.

Nós acreditamos que só as mulheres organizadas em luta poderemos transformar essa realidade, por isso nesse 25 de novembro de 2010, estaremos nas ruas denunciando a violência pois queremos que ela seja considerado algo inaceitável por todas à sociedade; Estaremos exigindo políticas de igualdade para às mulheres sejam efetivadas no Estado Brasileiro no executivo, no legislativo e judiciário.

A realidade da violência contra a mulher no Brasil

Segundo o Mapa da Violência 2010, realizado pelo Instituto Sangari, uma mulher é assassinada a cada duas horas no Brasil, o que faz do país o 12° no ranking mundial de assassinatos de mulheres. 40% dessas mulheres têm entre 18 e 30 anos. A maioria das vítimas é morta por parentes, maridos, namorados, ex-companheiros ou homens que foram rejeitados por elas.

Em dez anos (de 1997 a 2007), 41.532 meninas e adultas foram assassinadas, segundo o Mapa da Violência 2010, estudo dos homicídios feito com base nos dados do SUS. A média brasileira é de 3,9 mortes por 100 mil habitantes; e o estado mais violento para as mulheres é o Espírito Santo, com um índice de 10,3 mortes. No Rio, o 8 mais violento, a taxa é de 5,1 mortes. Em São Paulo a taxa é de 2,8.

Dados do Disque-Denúncia, do Governo Federal, mostram que a violência ocorre na frente dos filhos: 68% assistem às agressões e 15% sofrem violência física com as mães.
A violência contra a mulher é a maior preocupação para 56% das mulheres entrevistadas pela pesquisa realizada por IBOPE e Instituto Avon em 2009. A mesma pesquisa aponta que 55% dos entrevistados conhecem pelo menos um caso de violência doméstica.

Segundo pesquisa realizada pela Subsecretaria de Pesquisa e Opinião Pública do Senado Federal em 2005, 54% das mulheres entrevistadas acreditam que as leis existentes no Brasil protegem as mulheres da violência doméstica. Na mesma pesquisa, 40% das entrevistadas declararam já ter presenciado algum ato de violência contra mulheres e 17% afirmaram já ter sofrido violência, sendo que dessas, 55% sofreram violência física, 24% violência psicológica, 14% violência moral e 7% violência sexual.

Entre as mulheres agredidas, 71% foram vítimas mais de uma vez e 50% quatro vezes ou mais, segundo a mesma pesquisa. O marido ou companheiro é responsável por 65% das agressões.

91% dos brasileiros consideram muito grave o fato de mulheres serem agredidas por companheiros e maridos. As mulheres são mais enfáticas (94%), mas, ainda assim, 88% dos homens concordam com a alta gravidade do problema. (Pesquisa IBOPE/ Instituto Patrícia Galvão, 2004).

A idéia de que a mulher deve aguentar agressões em nome da estabilidade familiar é claramente rejeitada pelos entrevistados (86%), assim como o chavão em relação ao agressor, “ele bate, mas ruim com ele, pior sem ele”, que é rejeitado por 80% dos entrevistados (Pesquisa IBOPE/ Instituto Patrícia Galvão, 2004).

Em uma pergunta que pede um posicionamento mais próximo daquilo que o entrevistado pensa, 82% respondem que “não existe nenhuma situação que justifique a agressão do homem a sua mulher”. Em contrapartida, 16% (a maioria homens) conseguem imaginar situações em que há essa possibilidade. Observa-se que 19% dos homens admitem a agressão, assim como 13% das mulheres (Pesquisa IBOPE/ Instituto Patrícia Galvão, 2004).

Dados Lei Maria da Penha

Segundo pesquisa realizada pelo IBOPE e Themis - Assessoria Jurídica e Estudos de Gênero, em parceria com o Instituto Patrícia Galvão, 68% dos entrevistados declararam conhecer a Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/06).

A Lei é mais conhecida nas regiões Norte e Centro-Oeste, onde 83% dos entrevistados conhecem a Lei e seu conteúdo. No Nordeste e Sul as taxas de conhecimento são, respectivamente, de 77% e 79%.
Apesar da percepção do problema da violência doméstica contra a mulher e do conhecimento da Lei Maria da Penha, 42% da população diz que as mulheres não costumam procurar algum serviço ou apoio em caso de agressão do companheiro (IBOPE/Themis).

Segundo os entrevistados, o serviço mais procurado é o da delegacia da mulher (38%), sobretudo no Nordeste (44%) e nas capitais (45%). A delegacia comum de polícia vem na sequência, com 19%. (IBOPE/Themis)

Seguiremos em Marcha até que todas sejamos LIVRES!

Feminismo nas Américas

escrito por Marcha Mundial das Mulheres

Durante o mês de agosto a Marcha Mundial das Mulheres esteve envolvida diretamente na construção de dois importantes espaços de articulação e resistência na América Latina, na Colômbia e no Paraguai,

Na Colômbia junto com movimentos de mulheres e movimentos sociais mistos foi construído o "Encontro de Mulheres e Povos das Américas contra a Militarização", como parte da Ação Regional da MMM nas Américas, dentro 3ª. Ação Internacional da MMM. Nesse encontro, além dos debates sobre a situação de militarização da Colômbia e do continente americano, sobre a implicação desse processo na vida das mulheres, foram realizadas missões às regiões em conflito e a vigília em uma das bases estadounidenses na Colômbia.

No Paraguai as mulheres da Marcha se somaram à organização do IV Fórum Social Américas. Um processo no qual a MMM se envolve desde o início e que contribui para organizar uma agenda latino-americana de lutas comum.

As duas ações, portanto, marcam os aportes feministas nos processos de diálogo e resistências nas Américas rumo a construção de uma integração com igualdade, liberdade, justiça, paz, solidariedade!

Essas experiências serão compartilhadas no dia 22 de setembro, na SOF - Sempreviva Organização Feminista. Será um momento de avaliação e propostas para o seguimento destas ações.

Serviço:

Data: 22 de setembro, às 18h30
Local: SOF - Rua Ministro Costa e Silva, 36 (travessa da Mourato Coelho), Pinheiros

Movimento feminista denuncia a falta de creches no Grajaú

escrito por Marcha Mundial das Mulheres

A situação das creches em São Paulo está cada vez mais complicada. A promessa do governo Kassab/Serra foi de zerar o déficit em relação à demanda por creche. Mas na verdade, o que ocorre no município é o contrário. A região sul da cidade já era apontada como uma região com o maior déficit de creche. O bairro do Grajaú insere-se nesta região. O prefeito Kassab fechou as poucas creches e a população está totalmente desprovida deste serviço. Os movimentos da região denunciam que a prefeitura atua com descaso, não dá solução e ignora a situação como se não fosse responsável por oferecer este serviço.

Em geral, quando há ausência do Estado a vida das mulheres é a maior prejudicada: as crianças que estavam na creche voltam para casa, o trabalho de cuidado e educação da criança volta a ser de total responsabilidade da mãe; as mães que não tem com quem deixar esta criança tem que sair do emprego; se a criança é muito pobre e dependia da alimentação da creche ela ficará prejudicada; as mulheres que trabalham na creche - que na maioria das vezes são do próprio bairro - ficaram sem empregos; aumenta a lista de crianças sem creches, aumenta o número de mulheres que não podem crescer no mercado de trabalho por não ter com quem deixar as crianças. O ônus desta situação recai sobre as mulheres.

A Marcha Mundial das Mulheres expressou sua indignação contra esta situação que afeta o direito das mulheres e das crianças e divulgou entrevista a seguir.


Mães denunciam: Faltam creches no Grajaú

Por Aline Scarso

Mais de 1.400 crianças no Distrito do Grajaú, na zona sul de São Paulo (SP), estão sem creche. Isso porque a instituição conveniada pela Prefeitura para oferecer o serviço, o Centro de Promoção Social São Caetano de Thiene, não consegue mais administrar suas dificuldades financeiras. A instituição não tem recursos para pagar funcionários e educadoras. Com as portas da creche fechada, muitas mães deixaram o emprego para cuidar de seus filhos.

Quem denuncia a falta de preocupação do poder público com a educação infantil é a mãe Andrea Aparecida Brito. Um dos seus três filhos estudava no Centro São Caetano de Thiene. A situação de Andrea é igual a de milhares de mães da capital paulista que vivem as conseqüências da terceirização de parte das creches do município. Acompanhe a entrevista.

Radioagência NP: Por que as crianças não estão indo mais para a creche como antes?

Andrea Aparecida Brito: Pela explicação que a diretora nos deu é que [o Centro] iria abrir mais uma unidade. O Centro levou o projeto para a Prefeitura, a Prefeitura aprovou, mas a instituição não conseguiu enviar um projeto no qual completava o quadro de funcionários. Então com isso, a Prefeitura vetou o pagamento da verba. Como a diretora não tinha como pagar os funcionários, e com os funcionários não indo trabalhar, não tinham como cuidar de nossas crianças.

RNP: A Prefeitura diz que a culpa é da instituição conveniada para prestar o serviço. Você também acha isso?

AAB: Então. A gente na verdade não sabe o que está acontecendo. Essa foi a informação que a instituição e a Secretaria de Educação nos passou. O que a gente está questionando é o direito das crianças de freqüentar a creche. Porque com o rompimento desse convênio, em vez de as crianças serem realocadas para outro local, foi simplesmente pedido para as mães ficarem com as crianças dois dias, três dias, quatro dias. E isso acabou se estendendo do mês de março até agora.

RNP:
Andrea, temos a informação de que essas crianças que ficaram sem creche não são as primeiras, mas que tem muitas crianças na fila, esperando por vagas em creche no Grajaú, é isso?

AAB:
Pela informação que o Conselho Tutelar nos passou, tem 5.000 crianças na lista de espera. E com a saída dessas [1.400] crianças esse número se elevou. Só que a questão que estamos brigando é para essas crianças que já vinham tendo atendimento. Dizem que é questão de documentação. Outros dizem que a instituição não repassou para a Prefeitura o que eles estavam fazendo com a verba, por isso foi rompido o convênio. A gente não quer saber de quem é a culpa, nós queremos uma creche. Porque muitas mães ficaram desempregadas. Eu fui uma delas. Eu tinha uma lojinha, [mas] já não estava conseguindo mais dar conta, porque eu já não conseguia dar o atendimento adequado para meus clientes. Então [o trabalho] foi ficando defasado, não conseguia mais pagar o aluguel [da loja], e ali não era o lugar adequado para levar minhas crianças. Elas precisavam de um local para brincar, para dormir, e para pagar alguém pra cuidar deles, eu não tenho condições. Eu decidi fechar as portas.

RNP: Andrea, além de você, muitas mães também perderam o emprego. Você sabe como está a situação econômica dessas famílias?

AAB: Está muito precária. Porque tinha várias mães que levavam o filho para a creche porque elas mal tinham alimento dentro de casa. Então, pelo menos na creche, sabiam que as crianças estariam sendo alimentadas. Pra gente é um auxílio eles cuidarem das nossas crianças. Não tendo isso, a mãe tem que ficar com a criança em casa, não tem condições de pagar para alguém ficar com a criança, como também não tem condições de levar as crianças para o trabalho. Muitas mães vão trabalhar e deixam o filho sozinho em casa, correndo o risco do Conselho Tutelar tirar a guarda do filho dela.

RNP: Vocês dizem que cansaram de ouvir as promessas da Prefeitura. O que vocês querem do poder público?

AAB:
O que a gente quer é só uma resposta de quando vai voltar o atendimento dessas crianças. Porque a gente já está cansada de correr atrás, de ter falsas promessas. Tem uns que falam que as crianças vão ser realocadas para um prédio que está ocupado com uma escolinha particular. Então se for acontecer, vai acontecer o ano que vem.

RNP: Vocês não sabem quando essas crianças voltam para as creches?

AAB:
Não. O que eles dizem é que duas dessas instituições vão voltar a ter atendimento. São processos muito demorados e as crianças estão ficando prejudicadas. Porque além de não ter a educação que estavam recebendo, não tem o alimento, e os pais estão sendo privados de trabalhar para dar o alimento.

RNP: Andrea, em sua opinião, essas parcerias da Prefeitura com instituições privadas funcionam?

AAB: Olha, até o momento estava funcionando. Agora depois disso que aconteceu, a gente fica assim ‘será que é certo mesmo ter o convênio?’ Porque se fosse direto da Prefeitura não tinha acontecido isso que ocorreu.

Ver online : Rádio Agência NP

0 | 5 | 10 | 15


Enviar uma mensagem

Deixe um comentário