Página inicial > BRASIL > Domingo ensolarado

Domingo ensolarado

terça-feira 2 de junho de 2020, por Adroaldo Quintela (Adrô de Xangô) ,

Saudades imensas do meu povo de laços de sangue e de afeto.

Minha praia é minha casa! Da varanda, voltada para o nascente, recebo os raios de sol como se fossem o elixir da vida.

Depois de ouvir e ler tantas opiniões de médicos, já me acostumei com a ideia de adiar dois ou mais meses para voltar às ruas, esbanjando nova forma de me relacionar com as pessoas, os lugares e as coisas.

Se a pandemia estiver domada até o fim de agosto terei o maior gosto e ir à Salvador, pilotando meu automóvel em viagem de contemplação e agradecimento, com paradas em Bom Jesus da Lapa e na Chapada Diamantina.

Pretendo ir à Aracaju, Maceió, Recife e Jampa para rever familiares e amigos. Participar do lançamento do livro comemorativo do centenário do economista Celso Furtado, que nos deixou em 2004. O livro será editado pela Associação Brasileira de Economistas pela Democracia (ABED) e contém mais de 15 artigos de economistas de todas as regiões brasileiras.

Tenho ilimitado apreço pela existência. No que depender da minha vontade e dos meus atos, prolongarei a passagem pela mãe terra. Evitarei viajar de avião enquanto não houver vacina para a covid 19 e eventuais mutações. Passarei ao largo de aglomerações e shoppings.

Faço planos pessoais e coletivos para o futuro. Se puder ir à Salvador em setembro, estarei no lucro. Se for depois, é porque a coisa ainda estará ruça... Logo, não é bom apressar o rio da existência; ele corre sozinho!

Saudades imensas do meu povo de laços de sangue e de afeto. Na boa hora e no bom dia chegarei para sentir o gosto e os prazeres da Bahia.

Vixe! Só retornarei à Brasília em 2021.
Adrô Quintela de Xangô.

Imagem: Adroaldo Quintella

  1. Confira todas as colunas:

Adrô de Xangô