Página inicial > BRASIL > Ministério da Educação: mudam os jogadores, mas a partida continua...

Ministério da Educação: mudam os jogadores, mas a partida continua...

segunda-feira 22 de junho de 2020, por Paula Arcoverde Cavalcanti ,

O técnico pode até errar na substituição, mas o objetivo sempre será ganhar a partida e, consequentemente, o campeonato!

Esta coluna traz algumas reflexões acerca das últimas ocorrências no mundo da política brasileira: o dia em que o então Ministro da Educação foi oficialmente desvinculado do atual governo federal, e possivelmente ganhará um prêmio por causa disso - um cargo em um organismo internacional...

Minha surpresa, no entanto, não se dá a partir da substituição e dessa indicação e, sim, a partir da expectativa por parte de alguns de que haverá algum tipo de mudança no referido Ministério. Será que entrará um jogador que irá jogar contra seu time? Ou apenas mudam os jogadores dentro de uma partida, assim como vemos nos times de esporte coletivo, onde o objetivo sempre será alcançar a vitória? De que maneira poderia haver uma mudança, se a plataforma na qual o atual governo foi eleito possui claramente um viés excludente? Qual jogador deveria ocupar o referido cargo considerando que o objetivo é implementar o projeto do governo eleito democraticamente, por mais que eu não tenha nenhum apreço pelo atual governo?

Pois bem, antes de mais nada, temos que entender que o Ministério da Educação é de suma importância e, por causa disso será possivelmente ocupado por alguém que no mínimo acredita na mesma base ideológica do governo, e pior, poderá ser um jogador ainda mais perigoso para a educação pública brasileira, tendo em vista que, nenhum técnico substitui um jogador para tornar o time pior ou para que ele perca! O técnico pode até errar na substituição, colocando um jogador com características que não ajude ao time na naquele momento, mas o objetivo sempre será ganhar a partida e, consequentemente, o campeonato! Por causa disso, não seria surpresa que o cargo fosse ocupado por alguém que acredita na “terra plana” ou que defenda que “meninos vestem azul e meninas vestem rosa”! Essas declarações, aqui utilizadas como uma metáfora, representam expressivamente o perfil de quem, na visão do atual governo, está apto para ocupar qualquer cargo!

Então, só nos resta esperar e ver qual jogador será convocado nessa partida.

Imagem: MEC

Artigos assinados não expressam necessariamente a opinião da Ciranda e são da responsabilidade de seus autores(as).

Leia todas as colunas

Paula Arcoverde Cavalcanti