Página inicial > BRASIL > A corrida insana ao medicamento para vermes

A corrida insana ao medicamento para vermes

quarta-feira 22 de julho de 2020, por Ciranda.net,

Quando a Ciência não é ouvida, restam a sorte, a fé e a esperança de se ter em mãos um bilhete premiado

Apesar de ter sido amplamente divulgado, via imprensa e redes sociais, um alerta de entidades científicas contra o uso da Ivermectina na prevenção da covid-19, em um manifesto (veja link do documento original abaixo) assinado por diversas entidades catarinenses e brasileiras, incluindo a Sociedade Brasileira de Virologia (SBV), a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – Regional de SC (SBPC-SC), além de Programas, Departamentos e Núcleos de Pesquisa da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a propaganda irresponsável feita por alguns médicos e gestores públicos teve efeito ainda mais forte do que o argumento científico e da razão.

O resultado observado foi uma corrida às farmácias e um consumo descontrolado e em massa do medicamento para vermes em Santa Catarina.

Um fato omitido (propositalmente ou por desconhecimento) pelos médicos e gestores públicos que alardeiam os efeitos supostamente inibitórios do vermífugo Ivermectina na multiplicação do vírus SARS-CoV-2, é que esse efeito, observado somente in vitro (ou seja, fora de um organismo animal ou humano) ocorre em doses muito mais altas do que aquelas toleradas por seres humanos.

No entanto, há uma informação ainda mais relevante que está sendo escondida nessa propaganda desesperada: é o fato de que em pesquisas por novos medicamentos, as chances de que uma droga que teve um novo efeito verificado in vitro, venha a confirmar esse efeito terapêutico quando for testado em pessoas reais (em um processo que envolve longas pesquisas clínicas chamadas de Fases I, II e III), é ínfimo.

Podemos estimar que uma porcentagem muito pequena (algo em torno de 1%) dos fármacos que forneceram resultados promissores in vitro (fora de animais ou de pessoas), chegará um dia a ser usada para tratar pacientes humanos.

Dito de outra maneira, considerando-se uma droga candidata como a Ivermectina, que forneceu resultados promissores em um estudo in vitro, podemos inferir que ela tem uma probabilidade em torno de 99% de nunca vir a ter sua eficácia e segurança comprovadas para tratar Covid-19 em humanos, restando apenas algo em torno de 1% de esperança para seus usuários de que ela realmente venha a ter algum efeito desejado.

Isso ocorre porque, entre os efeitos observados in vitro e aqueles desejados clinicamente, há uma infinidade de fatores a serem superados e demonstrados cientificamente, como a forma de administração, o espectro de doses, a absorção da droga, sua farmacocinética, sua farmacodinâmica, sua eficácia, sua toxicidade, suas interações medicamentosas e, enfim, seus efeitos adversos em humanos.

Quando a Ciência não é ouvida, restam a sorte, a fé e a esperança de se ter em mãos um bilhete premiado.

Leia na íntegra o manifesto dos cientistas de 7 de julho de 2020.

Assista à reportagem do Jornal do Almoço -NSC(SC).

Sobre os autores:

André Ramos (PhD) é secretário regional da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência em Santa Catarina (SBPC-SC)
Guilherme Pasetto Fadanni, pesquisador do Centro de Inovação e Ensaios Pré-Clínicos (CIEnP)

Jornal da Ciência