Página inicial > BRASIL > Um canto de suor

Um canto de suor

sábado 1º de agosto de 2020, por . Yasmin Nóbrega, Cotidianos da Pandemia,

O tempo parou, lá e cá os limites espaciais mudaram,
o vírus está por aí correndo o mundo, enquanto nos perdemos, líquidos,
escorrendo entre os vazios consumidos nas mesmas 24 horas de sempre.

A gente fica na estática do trabalho contínuo, tentando sobreviver a tudo,
ao muito, ao imprevisível do amor e do luto.

A luta é a vida, mas a mais-valia continua enriquecendo patrões dentro
dos nossos lares e nos matando, pouco a pouco.

Canto, aqui, o meu suor, como um pedido de descanso.

Gratuita queria a brincadeira de ontem, entre sonhos que não dão lucro, prazeres que
nos atravessaram e se esvaíram no ar.

Nada é tão pequeno e bonito quanto sorrir pro abismo e estar de férias do capitalismo.

Imagem:

  1. Confira todas as colunas:

Cotidianos da Pandemia