Página inicial > BRASIL > Adupé Mestre!

Adupé Mestre!

quinta-feira 6 de agosto de 2020, por Franklim Peixinho,

‘‘A dor da gente é dor de menino acanhado...’’

A dor da poesia do preto santamarense
Do sentimento sufocado
Que o ‘‘menino-bezerro pisado’’ não podia gritar
É uma dor diferente
Ao que é celebrado pelo passado e presente
Na sua partida para o antigo Daomé.

Sim, é celebração
Reconciliação do seu povo
Em cada etnia, nação
Angola, Ketu, Jeje...
Ele parte as linhas
E quando ligamos juntos
Inspira-nos seguir altivo em pele azeviche
Na pisada do caminho seguro
Para o encontro e reencontro do pensar Ubuntu

Cada descendente preto
Carrega no seu Inkisse, Orixá ou Vodun
A memória além do Atlântico
Regada nas terras do Recôncavo
Quando nasce cada Jorge, seja no Aiyê ou no Orun

Adupé Mestre!

Imagem: Jorge Portugal - Governo da Bahia. montagem ciranda.net
Artigos assinados não expressam necessariamente a opinião da Ciranda e são da responsabilidade de seus autores(as).

  1. Confira todas as colunas:

Pedrinha Miudinha