Página inicial > BRASIL > Experimentações clandestinas

Experimentações clandestinas

quinta-feira 13 de agosto de 2020, por . Cris Lopes, Cotidianos da Pandemia,

"Abraço afetuoso do menino e sua doutora.

Ambiente asséptico, aroma álcool gel.

Diafragmas em suspensão diante do gesto raro, proibido, ameaçado de extinção.
Outros tantos doutores refletiam no jaleco branco a vergonha e o temor rubro de seus rostos paralisados.

No abraço recíproco e duradouro repousa a memória líquida da amorosidade, transbordando apetite de criança em gratidão.

Aninhados no mais inusitado gesto, em que suores, salivas, poros transpirantes exalam antiguidade...

Restará brecha para atualizarmos esbarrões de pele e alma?

Manadas, panapanás, multidões... a chance de orbitar outros corpos não poderá ser futuramente satanizada pelo higienismo social.

Recuperar-se-á retumbantemente a chance gregária do canto coral, da dança contato, do abraço menino... encontros curam... encurralados mutilam-se braços e ideias.
Sonhei com enlaces e festas, não seremos os mesmos após as mutilações.

Encontros precisarão ser provocados, desejados, restaurados, necessitados... continuamente não esquecidos.

Experimentações clandestinas farão dos abraços, atos revolucionários em civilidades achatadas e virulentas.

Gaia clama à provisoriedade do gesto menino, como antídoto permanente à ausência de humanidade a rondar espartanamente a via láctea: caminho ora despavimentado de luz e seiva materna, que empresta calor aos corpos... temperaturas ameaçadoras de liberdades interditadas.

O que restará de sabedoria aos meninos e meninas após afastamentos insanamente saneadores?

Que se profetize a esbornia de encontros amorosos e abraços múltiplos a rolar no chão de terra verde e água incolor... como urgência a salvaguardar estranhezas, essas que dilatam olhos e permitem olhar ampliado de mundos...de Gaia."

Imagem: Selma Reyes

  1. Confira todas as colunas:

Cotidianos da Pandemia