Página inicial > BRASIL > Dia 228 (591) - Ano 2 - O neoliberalismo como ele é

Dia 228 (591) - Ano 2 - O neoliberalismo como ele é

sábado 15 de agosto de 2020, por Fátima Froes,

Em Minas o governador expulsa famílias há vinte anos assentadas. Porque faz? Porque quer

Imagem: Ribs

PNG - 44.9 KB

1. Uma característica do neoliberal é a violência. E a política de promoção da morte. O
mercado deve ser livre e os que buscam justiça social devem sair do caminho. A marca dos desgovernos que ocupam o país sobre a pilha de mais de cem mil mortos é essa.

2. Em Minas o governador expulsa famílias há vinte anos assentadas. Porque faz? Porque quer. Talvez as famílias atrapalhassem algum negócio particular. 450 famílias que viviam numa área de usina de Ariadnópolis, inútil e improdutiva desde 1996,
ressignificada pelos agricultores, recuperando o espaço e transformando em
produtivo. Um famoso Café Guaii e muitos outros produtos eram parte da economia
gerada pelas famílias assentadas que faziam de um dos mais importantes segmentos
do país, a agricultura familiar. 8,5 mil sacas de café, 1.100 hectares de lavouras, 150
variedades cultivadas. Tudo sem agrotóxico. Nada vale. Em plena pandemia o braço
armado do governo de Minas Gerais.

3. A partir de uma ordem judicial de reintegração de 26 hectares, um juiz, daqueles que vemos por aí, espalhados no país, ampliou para 52 hectares. Ou seja, como tantos outros juízes que se espalham por aí, uma ação considerada ilegal. E além disso, a polícia avança mais. Além da determinação que já é abusiva.

4. O tamanho da área alvo reintegrada é questionada pelo MST. A primeira ordem
judicial afirmava que a área a ser reintegrada era de 26 hectares. Mas, a decisão de
Roberto Apolinário de Castro, juiz da Vara Agrária do TJ-MG, ampliou para 52 hectares o total a ser reintegrado. Sete famílias foram diretamente afetadas com o despejo (Brasil de Fato).

  1. Confira todas as colunas:

Diário Não Oficial do Brasil