Página inicial > BRASIL > Amores pós-modernos na pandemia

Amores pós-modernos na pandemia

terça-feira 25 de agosto de 2020, por Adroaldo Quintela (Adrô de Xangô) ,

8. Da flor do mandacaru às dunas da Praia do Guaju

Fim de semana maravilhoso na Fazenda Santa Fé. Finalizaram a curadoria da exposição virtual, passearam a cavalo pelo corredor ecológico da mata e tomaram banhos frios na curva do rio. Observaram as estrelas no céu iluminado do sertão.

De mãos dadas passearam pelo jardim. Artemísia percebeu uma flor de mandacaru precoce, na cerca viva. Pulou e dançou de alegria. A flor temporã é sinal de chuva no sertão. Eros não se conteve. Abraçou Artemísia e esboçou um beijo. Ela fechou os olhos. Ambos viram uma revoada de flores de mandacaru no céu estrelado...

Voltaram para casa e sentaram-se no sofá entre pinga, queijos, carícias e beijos cada vez mais cálidos e prolongados. Pela primeira vez dormiram juntos e felizes. Acordaram tarde e se deleitaram entre cochichos a respeito da compra conjunta da fazenda do seu Bentinho, temperados com o sal do bem querer.

A parte de produção e comercialização de leite, queijos e peles ficaria por conta dos filhos de Artê. A advogada Nêmesis, filha de Eros, cuidaria do exame da documentação e do registro dos papéis da propriedade rural.

Futuramente, prestaria assessoramento jurídico para registro e legalização da RPPN no Instituto Chico Mendes, assim como a criação de organização da sociedade civil de interesse público (OSCIP), visando captar recursos para reflorestamento, realizar cursos de educação ambiental, organizar o ecoturismo e gerenciar a reserva de propriedade particular natural.

A felicidade de Artê era incomensurável. Com a duplicação da criação de caprinos e da produção de leite, queijos e derivados, a Santa Fé se tornaria um empreendimento rentável e seguro para a família Furtado. Por sua vez, trabalharia com Eros na concepção e implantação do Instituto dos Catingueiros.

Tratava-se, portanto, da realização do sonho da casa comum no último ciclo amoroso da vida. Eros convenceu Artê a construírem juntos um ateliê-escola de pinturas ecológicas, por meio do uso de pigmentos naturais. Os corantes naturais seriam descobertos e coletados pelos alunos, durante passeios guiados pelas trilhas da caatinga.

Na segunda, às 11 horas, rumaram para o banco e o cartório. Acertaram a primeira etapa da compra com o Seu Bentinho. Até 30 dias concretizariam o resto do negócio, mediante a emissão e o registro da escritura de compra e venda do imóvel e a análise da documentação e verificação das certidões negativas da fazenda.

Eros e Artê cumpriram a primeira fase do compromisso mútuo e plantaram as sementes da árvore do amor e do sabor. Ato contínuo, viajaram para temporada de descanso, chamego e lazer nas dunas da Praia do Rio Guaju, na Barra de Camaratuba.

Nos primórdios da primavera, a Praia do Guaju é um lugar inabitado durante a semana. Teriam, enfim, um paraíso singular para vivenciar e desfrutar...

Adrô de Xangô
25/8/2020.

Imagem: Adroaldo Quintela

  1. Confira todas as colunas: