Página inicial > BRASIL > O Incrível Exército de Bolsonareone

O Incrível Exército de Bolsonareone

sábado 12 de dezembro de 2020, por Francicarlos Diniz,

Tantas ele fez e abusou da regra três, que, quando imaginávamos finalmente vislumbrar uma luz no fim do túnel, vem de novo o negacionista-mor da nação questionar a luz difusa do abajur lilás.

Pensar dá trabalho. Planejar dá trabalho. Trabalhar dá trabalho. O ser minúsculo não apresenta - nem nunca apresentou - nenhuma proposta viável e decente para a rápida saída do apavorante túnel. Sua contribuição até aqui foi tão-somente jogar saliva pútrida no ventilador. Ou algo mais, se é que me entendem.

Primeiro foi contra o distanciamento social. Fazia questão, inclusive, de gerar aglomeração, quando de suas escapadelas do mais improdutivo pedaço de terra brasileiro: o Palácio do Planalto.

Depois, combateu o uso de máscara, sempre dando mau exemplo ao não usá-la ou duvidando de sua eficácia para evitar a proliferação do vírus.

Incansável em contrariar todas as práticas recomendadas pela comunidade científica do mundo inteiro, o napoleão-de-hospício bananeiro agora se lança na insana batalha (final?) de questionar a segurança e eficácia da vacina, qualquer que seja a origem: americana, russa, chinesa, inglesa, javanesa...

Só nos cabe indagar ao guru supremo da nação e também ao seu estropiado séquito: qual então o caminho a seguir?

Cri-cri-cri... Silêncio ensurdecedor. E likes a torto e à ultradireita do intrépido, medieval e insano "Exército de Bolsonareone".

E la nave va. Para onde, não sei.

O autor é beletrista de antanho, influenciador analógico e carimbador de cartão de vacinação.

  1. Confira todas as colunas:

Moinho de Inventos