Página inicial > BRASIL > Mia Couto, o lirismo na “fabricação da ausência” da África pós-colonial.

Mia Couto, o lirismo na “fabricação da ausência” da África pós-colonial.

domingo 20 de junho de 2021, por Carlos Russo Jr.,

Mia Couto declarou que “O último voo do flamingo” fala sobre a perversa fabricação de ausência - a falta de uma terra toda inteira, um imenso rapto de esperança praticado pela ganância dos poderosos”.

Mia Couto declarou que “O último voo do flamingo” fala sobre a perversa fabricação de ausência - a falta de uma terra toda inteira, um imenso rapto de esperança praticado pela ganância dos poderosos”.
A leitura de Mia Couto caminha numa variante do realismo fantástico; talvez até mesmo melhor seria dizer que, como um mago, ele trabalha uma espécie de animismo fantástico, em que as almas encarnam em gentes com as tradições e as magias do seu pedaço de mundo, que não é somente Moçambique, mas todo o continente africano.
Moçambique é uma nação profundamente agredida pelos anos de ocupação portuguesa, pelas guerras e pela ganância daqueles que usurparam o Poder deixado pelo Colonizador.
Mia Couto disse mais: “O avanço desses comedores de nação obriga-nos aos escritores, a um crescente empenho moral. Contra a indecência dos que enriquecem à custa de tudo e de todos, contra os que têm as mãos manchadas de sangue, contra a mentira, o crime, o medo, contra tudo isso se deve erguer a palavra dos escritores.”

Carlos Russo Jr.

Convidamos à leitura de nosso ensaio em:https://www.proust.com.br/post/mia-couto-o-lirismo-na-fabrica%C3%A7%C3%A3o-da-aus%C3%AAncia-da-%C3%A1frica-p%C3%B3s-colonial


Ver online : Espaço Literário Marcel Proust