Página inicial > BRASIL > A humanidade interrogando seu próprio destino em “A morte de Ivan (...)

A humanidade interrogando seu próprio destino em “A morte de Ivan Ilitch”

terça-feira 27 de julho de 2021, por Carlos Russo Jr.,

“A morte de Ivan Ilitch”, uma pequena-grande novela, uma epopeia sobre a Vida e a Morte, altamente concentrada, sem desvios nem distrações, uma incrível sobriedade no trato da finitude humana.

Tolstoi viveu uma crise existencial onde tudo perdera valor e sentido, e ele percebeu o nada imenso do próprio destino, assim como o de todo o ser humano.
Deste momento em diante seu olhar se voltará para a compreensão do inexplicável, buscará contemplar a angústia primitiva do ser humano e, talvez como poucos, terá a coragem de encarar resolutamente o problema que o destino impõe ao homem: a humanidade interrogando seu destino!
“Por que viver? Qual a causa de minha existência e a dos outros? Que finalidade tem minha vida e a de todos os seres vivos? O que significa a dualidade entre o bem e o mal que sinto em mim? Como devo viver? O que é a morte? Como e se poderei salvar-me?”
A morte torna-se em seus livros, antes de tudo, um elemento catártico do próprio autor. Ele se rebela contra a o paradoxo da mortalidade, sofre com o fato de que a vida dos homens seja submetida por doenças e pelo furor do tempo.
“A morte de Ivan Ilitch”, uma pequena-grande novela, uma epopeia sobre a Vida e a Morte, altamente concentrada, sem desvios nem distrações, uma incrível sobriedade no trato da finitude humana.

Carlos Russo Jr.

Convidamos à leitura de nosso ensaio em:https://www.proust.com.br/post/a-humanidade-interrogando-seu-pr%C3%B3prio-destino-em-a-morte-de-ivan-ilitch


Ver online : Espaço Literário Marcel Proust