Página inicial > Ciranda Mundi > Europe > Vida de sindicalista russo em perigo!

Rússia

Vida de sindicalista russo em perigo!

Sindicalista russo Valentin Urusov está na prisão há mais de um ano

sexta-feira 2 de julho de 2010, por Sérgio Bertoni,

Qual é o seu crime?

Em 2007 Urusov fundou o sindicato independente "Profsvoboda" na empresa de diamantes Alrosa, localizada na República de Sakha-Yakutia.

A empresa

Alrosa é uma empresa próspera, a maior produtora de diamantes da Rússia. Em 2009, a ALROSA vendeu 25% dos diamantes comercializados no mundo. Recentemente a empresa anunciou que neste ano superará gigantes como a Debswana Diamond Company Ltd e do Sul Africano De Beers na produção em quilates.

O Conselho de Supervisão da ALROSA é presidido pelo ministro das Finanças russo Kudrin. O seu vice é o Primeiro Ministro da República de Sakha-Yakutia, Yegor Borisov, e o Vice-Primeiro-Ministro Gennady Alexeyev é membro do Conselho. Em agosto de 2009 o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, deu a Alrosa uma ajuda governamental de um bilhão de dólares E.U.A.

O Sindicato

O sindicato de Baletin Urusov conseguiu filiar rapidamente cerca de mil membros e apresentou à direção da empresa uma lista de reivinidcações sobre condições de trabalho e salários para os horistas e mensalistas que trabalham na empresa.

A resposta da empresa foi rápida. No dia 13 de setembro de 2008, Urusov foi preso sob a acusação de porte de drogas. Na verdade as investigações mostraram que a polícia jogou os envelopes com entorpecentes em seu no bolso no momento da detenção. Um dos dois policiais responsáveis pela operação, foi preso logo em seguida para a fraude.

Inicialmente, o tribunal condenou Urusov a seis anos de prisão. Depois de uma campanha de protesto na Rússia e no exterior, os advogados de Urusov entraram com um recurso e a primeira condenação foi anulada. No entanto, o tribunal da comarca condenou Urusov novamente a 6 anos de prisão. O prazo foi encurtado para cinco anos após uma segunda apelação.

Ao mesmo tempo, a direção da ALROSA demitiu todos os líderes do Profsvobody, que foram imediatamente incluídos na "lista negra" para impedi-los de encontrar trabalho. A empresa conseguiu o que queria: decapitado o sindicato perdeu mais de metade dos seus membros.

O Governo da República de Sakha (Yakutia), por sua vez, manteve-se surdo aos apelos pela libertação de Urusov, mas parece ser muito sensível às demandas da gerência da ALROSA.

Logo após a prisão, Urusov foi submetido à pressão das autoridades prisionias que levaram ao agravamento de sua doença renal e precisa ser hospitalizado.

A vida de Urusov está em perigo!

Sua contínua detenção é uma violação das liberdades fundamentais dos sindicatos.

Duas delegações de sindicalistas visitaram as embaixadas da Rússia em Paris e Berlim, onde exigiram a libertação de Urusov. O sindicato dos mineiros britânicos, os trabalhadores e ativistas democráticos na Sérvia também intervieram em favor de Urusov.

Para salvar Urusov e proteger a liberdade sindical solicitamos que esta denuncia seja amplamente divulgada. Carin Clement
IKD - Instituto de Ações Coletivas
Moscou, Rússia

Jea-Jack Marin
Historiador
Paris, França

Tradução: Equipe de TIE-Brasil a partir de informações enviadas por Mark Vassiliev. Moscou, Rússia