Página inicial > FSM WSF > FSM 2011 > Mídia livre como trincheira de luta

Mídia livre como trincheira de luta

sábado 16 de junho de 2012, por Soraya Misleh, Soraya Misleh Soraya Misleh Soraya Misleh

Todas as versões desta matéria: [English] [Español] [français] [Português do Brasil]

Participando da discussão sobre direito à comunicação, o curdo Yilmaz Orkan abordou o tema como parte da luta de seu povo por um estado.

Foto: Rita Ronchetti

À mesa sobre direito à comunicação, ainda na manhã deste sábado (16), o tema da mídia livre como trincheira de luta dos povos sem estado esteve na pauta. Yilmaz Orkan, vice-presidente de relações internacionais e desenvolvimento da Kon-kurd (Confederação de Associações dos Curdos na Europa), apontou a necessidade de os meios alternativos difundirem as violências sofridas pelos curdos e a censura por que passam. Segundo contou, seu país foi dividido em quatro após a Primeira Guerra Mundial, e parte agora está sob domínio turco.

Como forma de evitar que suas reivindicações por independência sejam ouvidas e o mundo tome conhecimento de sua causa, Orkan afirmou que "a internet está proibida ao povo curdo". A repressão teria resultado no assassinato de 66 jornalistas de um único veículo e condenação do diretor desse meio de comunicação, intitulado "Livre e atual", a 147 anos de prisão. Na tentativa de furar o cerco midiático, o movimento abriu um canal de TV na Dinamarca, mas "o governo turco interviu através da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e conseguiu seu fechamento".

Ele destacou que a publicação pela Ciranda Internacional da Comunicação Compartilhada de dois artigos sobre o povo curdo levou à procura de interessados em conhecerem sua realidade. Assim, lembrou a importância da solidariedade internacional, inclusive no campo das mídias livres. Essa foi manifestada pela plateia, que salientou a importância da comunicação democrática como trincheira de luta dos povos sem estado - entre os quais, ainda, os saarawis e palestinos, que vivem sob ocupação há décadas. Caminho fundamental para desconstruir estereótipos e divulgar a opressão e humilhação cotidianas a que são submetidos.