Página inicial > Ciranda Mundi > Israel proíbe a ativista adolescente Ahed Tamimi de viajar

Israel proíbe a ativista adolescente Ahed Tamimi de viajar

terça-feira 11 de setembro de 2018, por , Ciranda.net

Todas as versões desta matéria: [English] [Português do Brasil]

The 17-year old activist was released from Israeli prison in July, after serving an eight-month sentence for slapping two Israeli soldiers.

Marc Henry, Palestine Monitor - Ahed Tamimi e sua família foram proibidas de viajar para o exterior, segundo o pai da ativista adolescente.

A ativista de 17 anos foi libertada da prisão de Israel em julho, depois de cumprir uma sentença de oito meses por ter batido em dois soldados israelenses. O incidente foi capturado em filme e fez dela um ícone entre os palestinos e seus apoiadores.

Após sua libertação da prisão, a família Tamimi planejava viajar para a Europa a fim de participar de eventos, falando sobre a resistência palestina e a experiência de Ahed na prisão israelense.

Enquanto a família deveria partir na manhã de sexta-feira, 7 de setembro, o pai da adolescente, Basim Al-Tamimi, disse à Agência Anadolu que as autoridades palestinas informaram à família que Israel os proibiu de viajar para o exterior.

De acordo com a família Al-Tamimi, nenhuma razão foi dada para a proibição.

De acordo com a imprensa estatal iraniana, o pai de Ahed foi informado de que Israel barrou a viagem de sua filha por medo de que ela frustrasse os "planos de desintegração da região ao de forjar relações próximas com os inimigos de Israel".

Basim Al-Tamimi acrescentou que a proibição vem como resultado de Ahed Tamimi se tornar "uma embaixadoraglobal para a humanidade", e que "Israel tem medo da simpatia e da união entre seus oponentes".

Ahed Tamimi deveria visitar ManiFiesta, um festival de solidariedade na Holanda no último sábado e domingo.

Embora a ativista palestina não tenha permissão para deixar a Palestina, o sociólogo e escritor holandês Per Mertens enviou uma mensagem de solidariedade para Tamini durante o festival.

“Querida Ahed, você consegue ouvir ManiFiesta? Nós compartilhamos seus sonhos, os sonhos de sua família e os sonhos de todos os palestinos: o fim da ocupação da Palestina. Viva a solidariedade ”, disse Per Mertens ao vivo no festival.

A família Tamimi tem sido um espinho para o lado de Israel, e é por isso que as forças israelenses já prenderam muitos membros da família por sua oposição à invasão israelense das terras palestinas.

Enquanto seus pais e irmãos estiveram presos, as forças israelenses mataram a tiros o tio de Ahed Tamini, Rushdie el-Tamimi em Nabi Saleh em 2012.

Sua tia Bassima al-Tamimi foi espancada até a morte por um policial israelense em 1993, enquanto participava da sessão de julgamento do filho na época.

No início deste ano, MK Michael Oren conduziu uma investigação parlamentar secreta sobre a família Tamimi, já que ele suspeitava que eles não fossem "verdadeiros" palestinos.

De acordo com Ynet, o MK acreditava que os "cabelos loiros, sardas e roupas ocidentais" dos filhos da família Tamimi eram uma "operação muito sofisticada" que havia conseguido manipular a imprensa ocidental.


Ver online : Palestine Monitor