Página inicial > BRASIL > Diário Não Oficial do Brasil - Dia 16/365

Diário Não Oficial do Brasil - Dia 16/365

quarta-feira 16 de janeiro de 2019, por Fátima Froes,

O incrível ministério de baixíssimo nível intelectual que agora comanda o Brasil

No incrível ministério de baixíssimo nível intelectual que agora comanda o Brasil, com ministro achando que arma é utilidade doméstica, outro que não consegue passar em exame da OAB e um terraplanista, só para destacar alguns casos, a Ministra da Família (em nome de Jah!), tem utilizado pequenas polarizações reducionistas para consolidar o ódio ao outro. Num momento temos o rosa X azul, para consolidar a transfobia, gays X destruição da Bíblia, pela homofobia e agora mulheres lindas X mulheres feias. Mulheres capturadas pelo patriarcado X feministas, que não gostam de homem, para a misoginia.

Então ministra, eu, feminista, cis hetero, posso te dizer que não gosto de homens. Ré confessa. Não é de todos os homens que eu não gosto, como o seu mundo reducionista e manipulador quer crer, refiro-me a alguns arquétipos de homens de bem, forjados e alimentados pelo patriarcado.

Vou exemplificar com alguns desses homens de bem, da nossa burguesia ou classe média, e até um estadunidense, veja só:

1- João de Deus - que abusou e estuprou 506 mulheres durante o exercício das suas atividades religiosas, construiu uma rede criminosa que para além de estuprar algumas outras centenas de mulheres, obrigou-as a engravidar, e as manteve em cárcere privado para vender seus filhos por um valor entre 20 e 40 mil no mercado europeu;

2- Roger Abdelmassih - que no exercício da profissão de ginecologista estuprou 37 clientes, foi liberado pelo STF para prisão domiciliar (o que são 37 mulheres?) e fugiu.

3- Ministros do STF, porque soltam Roger Abdelmassih.

4- John Harvey Kellog- (aquele do sucrilhos!), que destruía clitóris com ácido, porque concluiu que o estímulo excessivo do clitóris gerava sérios problemas de saúde mental para as mulheres. Porque prazer, só para homens, mulheres são instrumentos.

5- Pai, cujo nome será mantido no anonimato para não expor a vítima, que estuprou a filha por 11 anos, dos 5 aos 16, fez vasectomia para não engravidá-la. Ela tentou o suicídio e no hospital em que foi atendida, levada pela vizinha, foi orientada a fazer a denúncia e acolhida. E cujo silêncio era mantido pela ameaça de morte dos seus três irmãos.

6- Carlos Alberto Brilhante Ustra, que no golpe de 64, quando os militares tomaram de assalto o país, foi um coronel do Exército Brasileiro, ex-chefe do DOI-CODI do II Exército, um dos órgãos mais atuantes na repressão política e um torturador maníaco. Também era conhecido pelo codinome Dr. Tibiriçá. Foi responsável pela morte de pelo menos 50 pessoas. Torturava mulheres colocando baratas nas suas vaginas.

7- Jair Messias Bolsonaro e Hamilton Mourão - Presidente e Vice-Presidente do Brasil, que têm Ustra como herói.

Esses são alguns representantes do patriarcado dos homens de bem, em que você quer nos (re) colocar. Que diariamente estão espancando, matando, silenciando, desqualificando. Aos milhares. E agora vocês, governo Bolsonaro, liberam a posse de até quatro armas por cidadão de bem, abrindo a possibilidade de nos matarem mais do que já matam. Temos claro que o compromisso desse governo é com a indústria armamentista e com o silenciamento de mulheres. #EleNão, #ElesNão, vocês não vão conseguir nos destruir. Vade Retro!

Confira as todas as colunas:
Diário Não Oficial do Brasil