Página inicial > BRASIL > Diário Não Oficial do Brasil - Dia 35/365

Diário Não Oficial do Brasil - Dia 35/365

segunda-feira 4 de fevereiro de 2019, por Fátima Froes,

18º dia de blindagem do bolsofilho. Um membro do STF ameaça romper a blindagem

Crime ambiental da Vale. 2 engenheiros e 3 empregados da Vale presos. 121 pessoas mortas. 204 desaparecidos. Flávio Schvartsamnn continua livre. A expressão homicídio doloso aparece na imprensa. Décimo Dia.

De acordo com diversas fontes que o google me aponta, em 2017 existiam 193 países no mundo. A taxa de feminicídio no Brasil é a quinta maior do mundo segundo a Organização Mundial de Saúde. Apenas 4 países desses 193 conseguem ser mais violentos que o Brasil.

108 casos de feminicídio até 21 de janeiro. Mergulho nas informações da página do Instituto Patrícia Galvão e tenho os seguintes dados para este país chamado Brasil:

Uma mulher é vítima de estupro a cada 9 minutos;
Três mulheres são vítimas de feminicídio a cada dia;
Uma pessoa trans ou gênero diversa é assassinada a cada dois dias;
Uma mulher registra agressão a cada dois minutos (dois minutos, atente que
muitas são agredidas e não dão queixa).

No dia 2 de fevereiro, uma ativista valorosa se suicidou. Sabrina Bittencourt, 37 anos. Perseguida e ameaçada por líderes religiosos agentes das maiores barbáries de abuso (506 mulheres foram abusadas por João de Deus, o Médium ), tráfico de crianças, tráfico de mulheres. Ao menos 185 denúncias contra 13 supostos líderes espirituais estavam no alvo das organizações de que Sabrina fazia parte.

As organizações COAME - Combate ao Abuso no Meio Espiritual e outra Vítimas Unidas, divulgaram a morte. O filho Gabriel Baum confirma que a mãe se libertou do inferno que estava vivendo, sendo ameaçada de morte não só dela, mas também de seus filhos.

A luta das mulheres é uma prioridade nesse momento. No ataque à autonomia das mulheres não existe possibilidade de luta sem o nosso protagonismo. Nós não precisamos desse governo formado por Moros, Mourões e Bolsonaros . O retrocesso nas políticas para mulheres é violento nesse Estado fascista, e recrudescem os esforços de dominação do patriarcado,

Nossos companheiros se apoiam nas suas posições conquistadas enquanto secundarizam nossa luta. E criam a fábula de que uma dia, ao fim da luta de classes, todos estaremos libertos. Todos menos umas. Com esses números absurdos não sem o nosso protagonismo não sobreviveremos até lá.

Sabrina Bittencourt, Presente! Marielle Franco, Presente! Todas as mulheres silenciadas, Presente!

#Ele Não!, #Eles Não!, #Ele Nunca!

Confira as todas as colunas:
Diário Não Oficial do Brasil