Página inicial > BRASIL > Diário Não Oficial do Brasil - Dia 40/365

Diário Não Oficial do Brasil - Dia 40/365

sábado 9 de fevereiro de 2019, por Fátima Froes,

Isto não é uma chacina?

O Brasil será o Rio amanhã. O Estado do Rio de Janeiro é o exemplo do narcoestado que, do ponto de vista do negócio, deu certo. O Estado é controlado pelas milícias, os pobres são apontados como culpados pela ausência de políticas públicas, existe um apartheid geopolítico, os militares se somam à polícia na formação de milícias financiadas com dinheiro público. Os negócios ditos lícitos, como o futebol, por exemplo, trata seus talentos como nada. Pequenos escravos que são movidos a tal descaso pelo sonho, não só de jogar futebol, mas de levar a família a outro patamar, sair de pobreza, ser reconhecido e admirado de alguma forma.

Então vamos nos debruçar sobre algumas tragédias do Rio e do Brasil neste ano de 2019.

1. O incêndio do Centro Técnico do Flamengo pode ser considerado uma chacina? O Ninho do Urubu mantinha jovens aspirantes, menores de idade, em condição precária. O Clube Flamengo era responsável pela vida desses jovens, pela alimentação, pela formação, investindo e esperando lucros milionários. Capturando os sonhos de jovens e suas famílias e colocando-os em um depósito, mal arrumados, sem certificação do corpo dos bombeiros, sem cumprir minimamente o Estatuto da Criança e do Adolescente, sem alvará de funcionamento.

O nome disso é chacina.

Aquelas crianças estavam ali sem proteção do Estado ou do Clube. O triste é que isso poderia ser feito de maneira razoável: adotar é uma coisa maravilhosa, se feita legalmente, de forma irregular é sequestro. Sequestrar o sonho de forma irregular é: chacina. 10 pessoas mortas no depósito de crianças do Flamengo no dia 08 de fevereiro.

2. A intervenção do exército aumentou a violência contra os pobres. A polícia, o exército, as milícias, todos juntos se sentem donos da população, invadindo casas, matando sempre pobres, pretos, sem nenhum pudor. Para o público isso é traduzido como política de segurança. Chacinas. 13 pessoas no Rio no dia 08 de fevereiro.

3. As enchentes. Qual a política para habitação e prevenção de acidentes? O Estado falido foi dilapidado e os recursos para a prevenção de deslizamentos de terra, onde estão?

Pessoas são mortas diretamente nos deslizamentos. Porque tem as que morrem por suas consequências. As crianças e idosos desabrigadas que terão pneumonia, doenças contagiosas provocadas pela lama, etc. 06 pessoas diretamente mortas pela enchente. 06 pessoas no Rio no dia 08 de fevereiro.

4. Uma vereadora é fuzilada nas ruas e dez meses depois o nome dos mandantes do crime é sussurrado, apenas. Porque assim se trata os oponentes no narcoestado. Um deputado federal abriu mão do seu mandato e foi obrigado a sair do país. 02 pessoas morreram fuziladas.

O poder que hoje ocupa o planalto, a família Bolsonaro, cresceu, se elegeu e enriqueceu nesse esquema de ocupação pelo narcoestado no Rio de Janeiro. E não é por falta de luta e de oposição. Os cariocas são combativos, mas o grande esquema conseguiu se apoderar de todas as estruturas, e agora se espalham pelo país. No momento observamos outra chacina ser chamada de "desastre ambiental": a da Vale.

Até agora 157 corpos. Isto não é uma chacina?

Confira as todas as colunas:
Diário Não Oficial do Brasil