Página inicial > BRASIL > Diário Não Oficial do Brasil - Dia 59/365

Diário Não Oficial do Brasil - Dia 59/365

quinta-feira 28 de fevereiro de 2019, por Fátima Froes,

41º dia de blindagem do bolsofilho. Queiroz e assessores de Flávio Bolsonaro desaparecem. As candidatas laranjas também. O cheque da primeira dama nem se fala.

O crime da Vale segue sem punição. Fábio Schvartsman continua livre. Algum dia saberemos o número de mortos? A contagem oficial está em 182.

1 - Vejo uma pergunta nas redes: o que Bolsonaro está fazendo para a recuperação de economia? Do país que ele foi eleito presidente, nada, mas Trump e o grande capital internacional, estão adorando. O rompimento com a China foi uma grande jogada, o mercado de carne, aves, soja será absorvido pelo agronegócio estadunidense. O agronegócio brasileiro deve estar muito feliz, dançando com arminha no carnaval e com camisa da CBF.

2 - Bem a propósito, uma revista norte-americana classifica o nosso ministro das relações exteriores como o "pior diplomata do mundo", capaz de patrocinar recuos e prejuízos comerciais e estimular o envolvimento do país em uma guerra em defesa dos interesses das petroleiras americanas. Enfim, diz a revista, um maluco, indicado para o cargo justamente por ser maluco. Muito conveniente.

3 - O patriarcado avança de forma brutal, nesse momento de retrocesso do Brasil. Os adesistas, eleitos com voto do campo progressista, se sentem felizes no seu território. Na Bahia, uma autoproclamado Coronel, eleito senador, apresenta um projeto para eliminar a cota mínima de participação de mulheres nas eleições. Para o tal autoproclamado Coronel, a responsabilidade por o PSL haver utilizado candidatas laranjas para eleger a sua bancada com os recursos do Fundo Partidário, é das mulheres. Como não pensamos nisso antes? A culpa da existência do patriarcado é da mulher, claro. Se ela deixar de existir, deixará de existir violência contra ela. Estupidez é algo que contagia.

4 - Seguindo a linha do Coronel, a associação de gerentes da Caixa afirma que a culpa do racismo praticado pelo gerente é do empresário objeto do racismo. Que foi tudo premeditado. Claro, todos nós vimos ele obrigar o gerente a externar o seu desrespeito e vimos, também, ele apertar o braço do PM em torno do próprio pescoço. Racismo, arrogância e estupidez, é o que vemos por aqui.

NOSSA BANDEIRA NUNCA SERÁ LARANJA!!