Página inicial > BRASIL > Diário Não Oficial do Brasil - Dia 151/365

Diário Não Oficial do Brasil - Dia 151/365

sexta-feira 31 de maio de 2019, por Fátima Froes,

Ministro da educação acha que pode proibir manifestação até de pais de alunos. Reitor da UFRJ é acusado quanto o incêndio do Museu Nacional.

Singing in the rain não é apenas o musical divertido e glamoroso de Hollywood que o ministro da educação fez questão de estragar na memória de todos, já que não podemos desver a ridícula cena a que nós, os incautos, fomos expostos.

A cena do ministro nos remete a outro momento do cinema, em que a música também é utilizada: Laranja Mecânica, de Stanley Kubrick.

O protagonista, Alexander Delarge, lidera uma gangue e sua principal característica é a violência gratuita.

O filme, um clássico, nos reporta a personagens como esses que estão hoje no planalto. Delarge canta Singing in the rain enquanto comete seus atos de violência e barbárie.

Delirante, o ministro se acha autorizado a proibir a manifestação até de cidadãos pais dos alunos. Se sente em uma monarquia. Um bufão talvez.

Acusação ao Reitor da UFRJ quanto ao incêndio do Museu Nacional, leviana e irresponsavelmente e a proibição de que os Institutos Federais tenham sítios próprios são mais atos de violência arbitrária.

No caso do Museu age como se não houvessem relatórios e investigações com laudos conclusivos.

Quanto à nova proibição dos portais, pretende impedir não só a comunicação com a comunidade de alunos, como provavelmente inviabilizar diversas atividades administrativas, incluindo matrículas online e divulgação científica.

Em todo o Brasil, hoje, estamos reportando para o mundo o tamanho da nossa resposta ao governo fascista.

A faixa destruída em Curitiba, que defendia a Universidade Pública, não só foi reinaugurada, com pompa e circunstância, como foi também replicada em várias cidades do Brasil.

Trabalhadores e estudantes, aposentados e jovens. A resposta é imensa.

Ontem, uma quinta-feira, as ruas de 126 cidades em 26 estados brasileiros se manifestaram contra a barbárie autoritária.

O grito ecoa e a onda cresce.

Os atos pró-corrupção e anti-conhecimento do domingo passado não prevalecerão, nem o mundo vai tomar caminhos tão sombrios como aqueles da gangue no filme de Kubrick. Delarge, o personagem que hoje o ministro imita, termina o filme lobotomizado (por seus pares, os monopolizadores da violência).

Confira as todas as colunas:
Diário Não Oficial do Brasil