Página inicial > BRASIL > Diário Não Oficial do Brasil - Dia 179/365

Diário Não Oficial do Brasil - Dia 179/365

sexta-feira 28 de junho de 2019, por Fátima Froes,

19º dia do congegate. 159º dia da blindagem do bolsofilho. Queiroz no comando.

1. Se luzes e fogueiras voltam a se acender hoje, comemorando, de véspera, mais um santo junino, São Pedro, nós estamos sendo mergulhados na escuridão:

2. Mais uma viagem o disfuncional presidente eleito criando um vexame internacional. O avião da comitiva para em Sevilha com 39kg de cocaína e o avião presidencial foge para Lisboa, para não ser revistado, o presidente foge, mais uma vez da imprensa internacional. É um governo em fuga.

3. O conge foge para os estados unidos, para fugir da câmara de deputados e foge de volta, porque finge que foi falar sobre drogas, mas não fala sobre as drogas do presidente e pior, não fala sobre os seus próprios crimes. Volta para organizar uma torcida a seu favor. Agora o papel está completo, organiza o jogo, escala o time, apita, grampeia o adversário, controla a mídia e é chefe da torcida.

4. E o ministério público, para apoiar o agora ministro ex-juiz, vai a revanche. Solicita endurecer a pena do Presidente Luís Inácio Lula da Silva, por razão nenhuma, só porque está melindrado, e manda bloquear recursos inexistentes, assim jogando para a torcida do ex-juiz-ainda-ministro-apesar-de-tudo.

5. O ex-ministro da secretaria de governo, um desses tantos generais, que foi humilhantemente demitido, se vinga: “Em seis meses de governo, o que vi de dinheiro ser desperdiçado pelo ralo…”, disse o general, sem dar detalhes. Não precisávamos dessa confissão, ex-ministro, percebemos isso todos os dias.

6. O presidente circula na reunião do G20 como uma pessoa disfuncional, que realmente é, fazendo turismo em churrascarias brasileiras, sem agenda oficial, enviando assessores para falarem coisas vexaminosas na ONU e ainda fazendo exposições estranhíssimas de colares. Pretende concorrer com os trabalhadores informais, os camelôs, mas evidentemente não tem vocação para mais essa tentativa de mudança de profissão. A caneta BIC que o acompanha começa a ficar evidente não pela sua possibilidade de assinar decretos que derrubam leis, mas para outros possíveis usos que o corpo de poliestireno da caneta, que se parece com um canudo é popularmente usado por alguns políticos do PSDB.

7. Alguém, por favor, recolha o passaporte desse presidente.

Confira todas as colunas:
Diário Não Oficial do Brasil