Página inicial > Ciranda Mundi > Menina egípcia de 15 anos é presa por esfaquear seu estuprador

Menina egípcia de 15 anos é presa por esfaquear seu estuprador

segunda-feira 22 de julho de 2019, por MEMO - Monitor do Oriente Médio, MEMO - Monitor do Oriente Médio

Todas as versões desta matéria: [English] [Português do Brasil]

Usuários de mídias sociais estão pedindo sua libertação sob a hashtag árabe “a garota de Ayat”

Foto: A “garota de Ayat”, de 15 anos, foi detida por esfaquear seu estuprador [Twitter]

Uma equipe de peritos encontrou novas evidências no caso “Ayat girl”, no qual uma garota de 15 anos esfaqueou um motorista de microônibus que tentou estuprá-la, depois de um plano sinistro elaborado por seu namorado.

Um relatório forense divulgado durante o fim de semana encontrou pele pertencente a alguém que não Amira Ahmed Rizk sob as unhas do motorista de microônibus, sugerindo que há uma terceira pessoa envolvida no caso.

Na segunda-feira da semana passada, Amira estava no zoológico de Giza com o namorado quando ele levou seu telefone. Ela tentou chamá-lo por outro celular, mas outra pessoa atendeu - o motorista do microônibus. Este disse que havia encontrado o telefone dela e pediu para ela ir para Al-Ayat.

Quando ela chegou ao local, encontrou o motorista do microônibus, seu namorado e outro homem que, junto com outros passageiros, entraram na van. Quando o namorado, o amigo e os outros passageiros saíram, o motorista do microônibus se ofereceu para levar Amira para casa e depois tentou estuprá-la sob a ponta de uma faca.

Amira pegou a faca e o esfaqueou 14 vezes, disse sua advogada, Dina ElMokadem, ao Daily News do Egito, em legítima defesa. Investigações mostram que o motorista do microônibus era amigo de seu namorado.

Usuários de mídias sociais estão pedindo sua libertação sob a hashtag árabe “a garota de Ayat” (#فتاة_العياط , em árabe). Sob a lei egípcia, o estupro deve ocorrer para que o assassinato seja considerado legítimo.

Apesar do fato de que, aos 15 anos, Amira ainda é uma criança aos olhos da lei, ela foi detida com adultos e está sendo investigada pela acusação geral, em vez da acusação juvenil.

“Amira não deveria ser detida porque era um caso de autodefesa. Mesmo que ela não fosse uma criança e apenas uma mulher, ela não deveria ser detida ”, disse ElMokadem.

A garota Ayat
"Eu o matei" [Cartoon - Doaa Eladl - Twitter]

O assédio sexual é abundante no Egito. Um estudo de 2013 das Nações Unidas mostrou que 99,3% das mulheres egípcias sofreram alguma forma de assédio sexual.

Em novembro do ano passado, aong ONG egípcia Bassita lançou uma nova campanha contra o assédio sexual nos transportes públicos, desafiando o “espectador silencioso” ou as pessoas que vêem o assédio sexual acontecendo e não fazem nada a respeito.

Uma linha direta do governo anunciada pelo Conselho Nacional de Mulheres do Egito ignorou 95 por cento das chamadas feitas por mulheres, de acordo com um experimento conduzido pelas ruas egípcias.

Autoridades foram criticadas por sua inação em relação ao assédio sexual, visto mais recentemente no caso do futebolista egípcio Amr Warda, que foi retirado por um breve período da equipe nacional, durante a Copa Africana de Nações, por ter enviado uma série de mensagens de texto obscenas para as mulheres. Após a pressão de seus companheiros, Warda foi reintegrado ao time.

As autoridades punem as mulheres quando elas falam. Em maio do ano passado, a ativista Amal Fathy foi condenada a dois anos de prisão depois de postar um vídeo no Facebook no qual ela falou contra o assédio sexual, enquanto em julho do ano passado uma libanesa foi condenada a oito anos de prisão por se queixar de ter sido sexualmente assediada no país.

No início deste mês, o jornalista egípcio Abeer Al-Safti foi assediado sexualmente na prisão.


Ver online : Middle East Monitor